Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Copa de 2018 será na Rússia e a de 2022 no Qatar

O xeque Hamad bin Khalifa Al-Thani, Emir do Qatar, com uma réplica do troféu depois do anúnicio que a Copa de 2022 será em seu país. (Zurique, AP Photo/Anja Niedringhaus)

O xeque Hamad bin Khalifa Al-Thani, Emir do Qatar, com uma réplica do troféu depois do anúnicio que a Copa de 2022 será em seu país. (Zurique, AP Photo/Anja Niedringhaus)

(swissinfo.ch)

Depois do Brasil, a próxima Copa do Mundo será na Rússia, em 2018. A Copa de 2022 será organizada pelo Qatar.
As decisões foram anunciadas pelo presidente da Fifa, Sepp Blatter, em Zurique, na tarde de quinta-feira (02).

Pela primeira vez, o Comitê Executivo da Fifa atribui duas Copas do Mundo ao mesmo tempo.

Rússia e Qatar foram desgnadas quinta-feira (02) pela Fifa para sediar as Copas do Mundo de 2018 e 2022. A escolha do Comtê Executivo da Fifa levou quase uma hora a mais do que inicialmente previsto. A escolha é surpreendente até porque Rússia e Catar não enviaram autoridades políticas para defender a candidatura em Zurique.

Rússia

O primeiro-ministro russo Wladimir Putin havia declarado inclusive que não viria a Zurique para não exercer pressão sobre a escolha e que se seu país ganhasse seria de maneira limpa. A Rússia concorria com as candidaturas da Inglaterra e as candidaturas conjuntas de Portugal-Espanha e Holanda Bélgica. O projeto russo prevê a construção ou reforma de 18 estádios.

A escolha do Qatar também é surpreendente, embora o país tenha investido muito nos últimos anos, promovendo amistosos de seleções, inclusive dois com a seleção brasileira, contra a Inglaterra e a Argentina.

Qatar

O Qatar concorria com a Austrália, Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão. O país tem apenas 1,7 milhão de habitantes (86% estrangeiros) e nunca participou de uma Copa do Mundo. O principal argumento da campanha é que o Mundial será um instrumento de paz no mundo árabe. O país promete construir estádios com ar condicionado para amenizar o calor do deserto.

Apresentações

As nove candidatas tiveram a oportunidade de se apresentar quarta-feira (1°/12 , para 2022) e quinta-feira (2°/12, para 2018) aos 22 membros presentes do Comitê Executivo da Fifa, em Zurique. Dois membros do Comitê Executivo - o haitiano Reynald Temarii e o nigeriano Amos Adamu - estão suspensos pela Comissão de Ética da Fifa, depois das revelações de corrupção do jornal britânico Sunday Times, em 17 de outubro último.

Para Mundial de 2018 concorriam as candidaturas conjuntas de Espanha e Portugal e da Bélgica e da Holanda, além da Inglaterra e da Rússia.

Para o Mundial de 2022 apresentavam-se Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e Qatar.

Para essas últimas apresentações, as delegações dos países candidatos enviaram autoridades e personalidades esportivas e do mundo artístico.

Para defender Portugal e Espanha, vieram os primeiros ministros José Sócrates e José Luiz Rodrigues Zapatero e os jogadores Luiz Figo e Casilhas.

A delegação inglesa era chefiada pelo príncipe William, com a presença do primeiro ministro David Cameron e do jogador David Beckham.

O ex-presidente Bill Clinton e o ator Morgan Freedman vieram defender a candidatura dos Estados Unidos. O ex-jogador Ruud Gullit foi a estrela da candidatura conjunta Holanda-Bélgica. A modelo Elle McPherson defendeu a Austrália e Zinedine Zidane fazia a promoção da candidatura do Catar.

Desde o início da semana, todos tentavam influenciar os membros do Comitê Executivo e todos também se diziam confiantes ao final das apresentações.

Dentre os cerca de mil jornalistas credenciados para o evento, muitos se questionavam acerca da lisura da escolha do Comitê Executivo da Fifa, depois das denúncias de que membros do CE receberam propinas para dar preferência a certas candidaturas.

Na última segunda-feira (29/11) a britânica BBC2 divulgou um documentário com antigas denúncias de corrupção de membros do Comitê Executivo, incluindo o presidente da CBF, Ricardo Teixeira. A BBC teria inclusive resistido a pressões do primeiro ministro David Cameron, que alegava que o programa prejudicaria a candidatura da Inglaterra para 2018.

Candidatos

Para Mundial de 2018 concorriam as candidaturas conjuntas de Espanha e Portugal e da Bélgica e da Holanda, além da Inglaterra e da Rússia.

Para o Mundial de 2022 apresentavam-se Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e Qatar.

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch


Links

×