Navigation

Crescem os crimes de colarinho branco

A criminalidade de colarinho branco custa caro à economia suíça. Photopress

Quase três quartos das empresas suíças afirmam já terem sido vítimas da criminalidade econômica, segundo um estudo recente.

Este conteúdo foi publicado em 11. agosto 2005 - 11:20

Mesmo assim, a maioria das 250 empresas questionadas recusa-se a investir mais de 50 mil francos suíços por ano em medidas preventivas.

Entre junho e julho, a empresa de auditoria KPMG, de Zurique, fez uma pesquisa junto a 250 empresas suíças, com resultados surpreendentes: 73% delas afirmam terem sido vítimas de alguma forma de criminalidade econômica.

O delito mais citado é a fraude, com 42% dos casos, seguido pela corrupção (12%) e pelo roubo de dados e violação de direitos autorais (10%).

Em 20% dos casos, os delitos foram descobertos por revisores internos ou externos das contas das empresas. Um em cada cinco casos foi descoberto por acaso.

Para reagir à criminalidade econômica, mais de um quarto das empresas atingidas preconizam reforçar seus sistemas de controle interno e 18% pretendem promover uma maior sensibilização dos funcionários para o problema.

Não mais de 50 mil francos

Quase 60% das empresas incluem a criminalidade econômica na gestão de riscos, afirma a KPMG. Mais de 80% das empresas se dizem dispostas a investir até 50 mil francos por ano em prevenção. 10% estão dispostas a investir mais do que essa soma.

Mesmo se os delitos econômicos estão entre os grandes riscos comerciais, essa criminalidade, amplamente praticada, continua sendo um tabu, comenta o estudo da auditoria. A explicação é que as empresas subestimam o risco em suas próprias contas.

8 bilhões perdidos

Segundo dados da polícia federal, o prejuízo causado pela criminalidade econômica representa de 2 a 4% do produto interno bruto (PIB), ou seja, 8 bilhões de francos suíços por ano. Em 80% dos casos, o autor do delito é um funcionário da empresa.

A pesquisa demonstra também que as empresas temem o aumento de outras formas de criminalidade econômica como a espionagem, a lavagem de dinheiro e os cibercrimes (cometidos através da internet).

swissinfo com agências

Fatos

Segundo a polícia federal, a criminalidade de colarinho branco provoca perdas de 8 bilhões de francos por ano à economia suíça.
Conforme estudo da auditoria KPMG, 73% das empresas suíças são vítimas de delitos:
42% de fraudes,
12% corrupção,
10% de roubo de dados e violação de direitos autorais.

End of insertion

Breves

- O crime econômico tem formas múltiplas e seus autores pertencem a diversas categorias.

- Na Suíça, o perfil típico do criminoso de colarinho branco é um homem de 30 a 45 anos com bom nível de formação.

- Seu salário geralmente é superior à média e geralmente é uma pessoa que gosta de esbanjar.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo