Perspectivas suíças em 10 idiomas

Democracia global melhora, mas a Suíça derrapa

Marcha pela democracia
Manifestação em Moutier... no entanto, a Suíça não se sai tão bem na taxa de comparecimento às urnas. © KEYSTONE / JEAN-CHRISTOPHE BOTT

O aumento da participação política em todo o mundo impediu um retrocesso democrático, segundo o mais recente índice de democracia da Economist Intelligence Unit (EIU). A Suíça, porém, caiu no ranking, em grande parte devido ao baixo comparecimento dos eleitores.

O tão anunciado recuo da democracia global, se não definitivamente evitado, foi ao menos “pausado” no ano passado, de acordo com o Índice de Democracia da EIULink externo, publicado na quarta-feira.

Em contraste com vários relatórios recentes que anunciam o fim dos tempos para o liberalismo e os direitos civis, a revista londrina escreve que, enquanto as democracias de 42 países declinaram em 2018, a pontuação global permaneceu estável; e quase 50 países melhoraram.

A principal causa do recuo, que interrompeu um declínio de três anos, foi um aumento na categoria “participação política”: números de participação, filiação partidária, envolvimento com a mídia e níveis de alfabetização de adultos aumentaram.

Além do Oriente Médio e Norte da África, a participação aumentou em todas as regiões do mundo, muitas vezes em resposta a uma alta desconfiança do governo tradicional. Grandes afluências nas eleições dos EUA foram um sinal claro disso, disse a EIU. Níveis históricos de participação política feminina também sugerem que a democracia não vai se deixar melindrar facilmente.

A derrapada suíça

Surpreendentemente, no entanto, a Suíça, com suas votações recorrentes e iniciativas populares, registrou seu pior desempenho nessa mesma categoria de participação (as outras quatro categorias medidas são processo eleitoral, funcionamento do governo, cultura política e liberdades civis).

Com 7,78 pontos na participação, a Suíça superou ligeiramente os EUA, mas estava longe da Noruega, que conseguiu um dez perfeito. No ranking geral, a Noruega também encontra-se no topo, à frente da Islândia e da Suécia. A Suíça caiu uma posição em relação ao ano passado, ficando em décimo. Os EUA, uma democracia mais complexa, encontra-se em 25º lugar.

Mostrar mais
Eine Frau wirft einen Stimmzettel in die Urne

Mostrar mais

As aparências enganam: a democracia ganha

Este conteúdo foi publicado em Estrasburgo, cidade francesa com apenas 270 mil habitantes, se tornou capital mundial da democracia em novembro. Mais de mil participantes oriundos de 100 diferentes países participaram do Fórum Mundial da DemocraciaLink externo, umas das conferências internacionais mais importantes sobre o tema.  Nesse ano os participantes debateram as fraquezas atuais da democracia. “Populistas dos mais diferentes…

ler mais As aparências enganam: a democracia ganha

A queda suíça nos últimos anos deve-se em grande parte às baixas taxas de comparecimento dos eleitores, explicou a analista-chefe da EIU para o Reino Unido e Europa, Danielle Haralambous.

Embora o país tenha um bom desempenho em muitos aspectos da participação política, disse ela, da participação de mulheres no parlamento à inclusão das minorias, a “fadiga dos eleitores” provocada por um excesso de votações (muitas vezes complexas) deixou-a atrás de outros países que continuam a melhorar nesse ponto.

Basicamente, enquanto a existência de instrumentos democráticos diretos eleva a pontuação da Suíça, a falta de engajamento nas urnas a arrasta para baixo.

Sob medida

Bruno Kaufmann, correspondente de democracia global da swissinfo.ch, diz que a metodologia da EIU é enganosa. É um erro comparar rotineiramente países como a Suíça – onde os eleitores são chamados às urnas até quatro vezes por ano – e a Suécia, onde as votações combinadas ocorrem apenas a cada poucos anos.

O quadro resultante, baseado em médias de elementos distintos, não reflete totalmente a realidade, diz ele. É uma “imagem quantitativa de nível superficial para cientistas políticos”.

De fato, embora a participação média dos eleitores na Suíça seja relativamente baixa (menos de 50% para as votações nacionais), a maioria dos especialistas concorda que isso reflete a frequência e a complexidade dos votos e referendos. Mas, dizem eles, os números mais baixos não prejudicam a qualidade democrática dos resultados.

Kaufmann também diz que, enquanto a Noruega está em alta na participação devido ao engajamento em grupos como sindicatos e organizações civis, a participação em processos suíços idiossincráticos, como a coleta de assinaturas para iniciativas populares, não é refletida pela EIU.

Outros índices, que adotam uma abordagem mais ampla para medir o desempenho democrático, apresentam, assim, classificações alternativas. Por exemplo, o instituto V-DemLink externo (“variedades de democracia”) da Suécia lista a Suíça em quarto lugar em seu último índice; para a Fundação BertelsmannLink externo, a Suíça vem em sexto.

Conteúdo externo

swissinfo.ch/ets

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR