Suíça ainda é um bom lugar para esconder dinheiro

A Suíça melhorou sua pontuação em um ranking de países que ajudam a esconder dinheiro. Mas isto está longe de ser algo para ser comemorado, diz uma aliança de ONGs.

Este conteúdo foi publicado em 21. fevereiro 2020 - 07:45
Um paraíso financeiro offshore? As Ilhas Caimãs encabeçaram a lista dos piores infratores quando se trata de permitir que pessoas ricas escondam suas finanças Ap2008

O Índice de Sigilo Financeiro bienal classifica cada país com base na intensidade com que o sistema legal e financeiro do país permite que indivíduos ricos e criminosos escondam e lavem dinheiro. O índice baseia a pontuação do sigilo de cada país em 20 indicadores, cada um dos quais é pontuado em 100. 

Pela primeira vez, a Suíça não é o pior infrator no Índice de Sigilo Financeiro, que foi publicado pela primeira vez em 2011. O Índice de Sigilo Financeiro atual, divulgado pela Rede de Justiça Fiscal, constatou que o sigilo financeiro global está diminuindo devido a um impulso por mais transparência. Em média, os países do índice reduziram a sua contribuição para o sigilo financeiro global em 7% desde o último índice em 2018.

As Ilhas Caimãs ocuparam o primeiro lugar, seguidas pelos EUA, que obtiveram uma pontuação pior do que no ano anterior, em parte porque ainda não assinaram os Padrões Comuns de Relatórios para troca automática.

A expansão da Suíça na troca automática de informações de clientes para incluir mais de 100 países ajudou o país a passar do primeiro para o terceiro lugar quando se trata de opacidade. De acordo com o ranking, a Suíça reduziu o risco de agir como um paraíso offshore em 12% a partir de 2018.

Entretanto, pessoas ricas de países não incluídos na lista, muitos dos quais são países em desenvolvimento, ainda podem esconder seu dinheiro praticamente sem risco das autoridades fiscais de seu país de origem, utilizando os serviços offshore de bancos e outros prestadores de serviços financeiros na Suíça.

Um caso em questão: Isabel dos Santos, a filha do ex-presidente angolano, que, de acordo com revelações recentes de Luanda, supostamente desviou centenas de milhões de dólares de fundos públicos angolanos para contas offshore, incluindo algumas na Suíça.

Segundo a Associação Suíça de Banqueiros, os bancos suíços ainda gerem mais de um quarto dos ativos transfronteiriços do mundo. Para a ONG Alliance Sud, um consórcio de seis agências de desenvolvimento, isso significa que a Suíça ainda é o maior centro financeiro offshore do mundo, mesmo que não seja o mais opaco. Apesar da diminuição do sigilo bancário na última década, a ONG argumenta que as políticas financeiras e tributárias suíças continuam sendo insuficientes na luta contra a evasão fiscal global.


Ajuda externa acaba em contas offshore suíças

Um relatório do Banco Mundial revelou que os gastos com os países dependentes de ajuda coincidem com aumentos acentuados dos depósitos bancários nos centros financeiros offshore, incluindo a Suíça. O relatório constatou que a taxa de fuga é de cerca de 7,5% e aumenta com o rácio da ajuda em relação ao PIB.

De 1999 a 2010, o total de depósitos estrangeiros dos 22 países dependentes de ajuda internacional no estudo foi de 199 milhões de dólares. Cerca de 29% desses depósitos podem ser destinados a seis locais. Entre os paraísos, para os quais as informações sobre depósitos bilaterais estão disponíveis ao público, a Suíça é de longe o país mais importante. Isto levanta a preocupação de que a ajuda nem sempre atinge os beneficiários alvo, mas acaba nas mãos de uma elite corrupta.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo