Navigation

Feira internacional de jóias contrai pela metade

Baselworld encontra dificuldades para atrair visitantes e exibidores Keystone

Baselworld, a maior feira de relógios e jóias do mundo, está diminuindo ano a ano. Não mais do que 600 a 700 expositores estarão mostrando seus produtos em 2018, praticamente a metade da última edição. 

Este conteúdo foi publicado em 14. novembro 2017 - 11:00
swissinfo.ch com agências

Embora o espaço de exibição da feira esteja um terço menor, os expositores mais importantes ainda estarão lá, assegurou o porta-voz Christian Jecker na quarta-feira. Além disso, o preço dos stands será reduzido em 10%, disse ele à rádio pública suíça, SRF.

Baselworld já sentiu um aperto este ano, seu centenário, com 200 expositores a menos do que em 2016. Os organizadores associam a queda aos desafios econômicos gerais enfrentados pela indústria de relógios e pela concorrência do SIHH Geneva, um evento similar realizado em janeiro.

Mas os críticos dizem que a crise da feira também se deve a fatores internos: de acordo com o jornal Basler Zeitung, os ex-expositores estão irritados com o preço altíssimo dos stands, com as falhas de comunicação e a falta de feedbacks da organização da feira. O chefe da marca de relógios de luxo Eberhard, de Biel (Bienne), disse ao Basler Zeitung: "A Baselworld é muito cara e as receitas já não justificam as despesas".

Conteúdo externo

Este ano, Baselworld atraiu 106 mil visitantes, uma queda de 4% em relação a 2016. Algumas pessoas se arrependeram de abrir a feira para gigantes tecnológicas como a Samsung, que participou da feira este ano pela primeira vez.

Baselworld 2018 abre suas portas em 22 de março e dura seis dias - dois a menos que este ano. Mesmo com o redimensionamento da Baselworld 2018, a crise ainda não está superada. Ao mesmo tempo, um novo conceito geral está sendo desenvolvido, e possivelmente será apresentado já na próxima edição do evento, no ano que vem, segundo informa a televisão pública suíça (SRF). Jecker está convencido de que a Baselworld ainda existirá nos próximos anos. Em que formato, porém, ele diz ainda não saber.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo