Navigation

Milhares de suíços solicitam o 'direito de serem esquecidos'

A Google concordou em tirar de suas listas 44% das URLs suíças referidas Keystone

Desde maio de 2014, a Google recebeu 14.607 pedidos de suíços para serem apagados dos resultados do motor de busca, afetando 49.700 URLs (páginas da internet).

Este conteúdo foi publicado em 01. março 2018 - 09:59

Na sequência de uma decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia em maio de 2014, os indivíduos têm o direito de pedir aos motores de busca como o Google que removam resultados com base em seus nomes. Os motores de busca devem retirar as URLs caso estas sejam "inadequadas, irrelevantes ou não mais relevantes, ou excessivas", bem como considerar outros fatores como o perfil público do indivíduo. Desde 2014, a Suíça foi responsável por 2,2% dos mais de 650 mil pedidos para serem descartados do google.

A empresa ainda não aprovou todos os pedidos suíços para serem esquecidos: apenas 44% das URLs em questão foram descartadas. A maior parte dos pedidos (88,8%) veio de indivíduos particulares; 38,3% envolvem menores, 29,2% são pedidos de empresas, 18,2% de funcionários do governo e 11,5% de figuras públicas não governamentais.

Das URLs solicitadas para exclusão de listas e efetivamente excluídas do google, o site Moneyhouse.ch - que fornece dados financeiros sobre indivíduos e empresas - encabeça a lista suíça. As plataformas de mídia social Facebook e Twitter conquistaram o segundo e terceiro lugar, respectivamente. Os sites de mídia Blick (quarto lugar) e 20min (quinto lugar) vêm logo em seguida.

Artigos citados

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.