Navigation

Suíça ganhou cinco novos bilionários em 2017

Novos membros no exclusivíssimo clube dos super-ricos eleva o número de bilionários da nação alpina para 36.

Este conteúdo foi publicado em 26. outubro 2018 - 16:00
Os bilionários suíços "surfaram" nos mercados em alta no ano passado, com um aumento de 19% em suas fortunas Keystone

De acordo com um relatório divulgado pelo banco UBS e pela PwC na sexta-feira (26), os ativos dos bilionários suíços aumentaram 19% no ano passado, para US$ 123,5 bilhões (CHF123,1 bilhões), impulsionados principalmente pela alta nos mercados financeiros. Enquanto o UBS não menciona nomes devido ao sigilo bancário, os bilionários atuam principalmente nas áreas de saúde, serviços financeiros e comércio varejista.

Dos 36 bilionários sediados na Suíça, a proporção de empresários que fizeram fortuna é de 44%, enquanto 56% herdaram sua fortuna. Isso é o oposto de outras regiões. Por exemplo, os bilionários que fizeram fortuna representam 69% do total nos EUA, enquanto na região da Ásia-Pacífico a porcentagem chega a 76%.

Embora o UBS não tenha citado nomes, o ranking anual estabelecido pela revista suíça Bilan lança alguma luz sobre essa classe endinheirada. Entre as maiores fortunas suíças estão os investidores Michael Pieper, Thomas Schmidheiny, bem como August von Finck, que detém participações na Mövenpick. A revista estima seus respectivos ativos em CHF4-5 bilhões.

Outros setores também estão bem representados, como as famílias Nordmann e Maus (ativos de CHF3-4 bilhões), que possuem as redes de lojas de departamentos Manor, bem como as marcas de roupas Lacoste e Gant. A família Stern, proprietária do relojoeiro Patek Philippe, também está incluída neste ranking (também CHF3-4 bilhões), bem como a família Coninx (CHF1,5-2 bilhões), que detém uma participação no conglomerado de mídia Tamedia.

A China cunhou o maior número de novos bilionários no ano passado (55), seguida pelos EUA (53). Globalmente, existem 2.158 bilionários que totalizam um valor de US$ 8,9 trilhões.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.