Navigation

Estudo climático lança alarme sobre o futuro da água na Suíça

Com o aumento da temperatura no verão, mais e mais pessoas buscam as águas cristalinas, como as do Lago de Genebra, para se refrescar. © Keystone / Laurent Gillieron

Em certos momentos e em certas regiões, a água se tornará tão escassa ou tão quente na Suíça que os seres humanos terão que refrear suas atividades e a natureza sofrerá também mudanças, de acordo com um estudo governamental. Por outro lado, o aumento das chuvas levará a mais enchentes locais.

Este conteúdo foi publicado em 17. março 2021 - 18:14
swissinfo.ch/ts

"Sem medidas de proteção climática, no final do século haverá em média 30% mais água nos rios no inverno, mas 40% a menos no verão do que hoje", conclui o projeto de pesquisa Hydro-CH2018Link externo, publicado pelo Departamento Federal do Meio Ambiente na terça-feira.

O estudo previu que a temperatura nos rios e riachos subirá cerca de 5,5° Celsius no verão, e no inverno haverá mais precipitação. Mais chuva cairá do que neve porque a faixa de neve subirá. Menos neve e gelo glacial levará a menores reservas de água para o verão. Como resultado, a água também estará ficando mais quente.

Assista aqui o vídeo preparado pelo ministério do meio-ambiente suíço (legendas em inglês):

Conteúdo externo

Tomadas as medidas de proteção climática, como as previstas na lei revisada do CO2, as mudanças seriam mais moderadas, de acordo com o estudo, mas ainda terão conseqüências significativas.

Os verões se tornarão mais secos e quentes no futuro. Em áreas muito de agricultura intensiva, a água poderá se tornar escassa também porque as plantas necessitarão de mais hidratação.

As chuvas se tornarão mais pesadas, o que poderá levar a mais desastres naturais, como inundações e deslizamentos de terra.

Desafios do inverno

O relatório do projeto, Effects of climate change on Swiss water bodiesLink externo (Efeitos da mudança climática em corpos hídricos suíços), dá uma visão concisa dos resultados. Entre outras coisas, ele apresenta o impacto sobre o lazer e o turismo.

"As temperaturas mais altas no inverno estão fazendo com que o número de dias de neve nova nos Alpes diminua significativamente. As estações de esportes de inverno em locais mais baixos já sentiram os efeitos do isoterma [nível de congelamento] de grau zero mais alto nos últimos anos e alguns tiveram que fechar", disse.

"Para compensar o declínio da queda de neve, a maioria dos resorts adquiriu máquinas para fazer neve. Em 2016, cerca de 49% dos 22.500 quilômetros de pista de neve na Suíça foram criados com neve artificial".

No entanto, a água necessária para a produção de neve deve estar disponível em altas elevações nos meses de outono e inverno, quando os fluxos são baixos. Por esta razão, muitas estações coletam água de derretimento e chuva no verão e armazenam-na em reservatórios auto-construídos nas áreas de esqui. Se isto não for suficiente, a água deve ser bombeada de níveis mais baixos.

"Às vezes, a água do abastecimento local de água potável é usada para fazer neve, o que pode causar conflitos", observou o relatório.

Oportunidades de verão

Por outro lado, a mudança climática também abre oportunidades para as áreas turísticas nas montanhas, de acordo com os autores.

"Pode-se supor que os turistas de férias procurarão cada vez mais o clima mais frio das montanhas nos dias quentes de verão. Há alguns anos, foi demonstrada uma correlação entre o número de pernoites dos turistas suíços nas regiões montanhosas e as altas temperaturas nas elevações mais baixas", escreveram eles.

Como a nevasca começa mais tarde no outono, a estação das caminhadas está se estendendo. Os pesquisadores disseram que não estava claro se os novos lagos e paisagens de montanha deixados para trás pelo recuo das geleiras poderiam se tornar destinos atraentes para os turistas, mas eles disseram que "corpos de água atraentes e versáteis" eram cada vez mais importantes para a recreação em uma época de mudanças climáticas, deixando as pessoas se acalmarem e relaxarem.

Ganhadores e perdedores da biodiversidade

Quanto à biodiversidade, "embora novos e valiosos habitats venham a ser criados localmente, como nos campos férteis das geleiras devido ao recuo destas, os habitats em geral se tornarão mais semelhantes porque os nichos ecológicos desaparecem".

Os principais prejudicados serão espécies altamente especializadas e de água fria, como a truta marrom, enquanto os generalistas e as espécies de água quente serão beneficiados.

"Quando a mudança climática muda os habitats das espécies, algumas podem colonizar regiões suíças de maior altitude, mas outras não. Novas espécies não nativas ou mesmo invasoras imigram. Estas espécies invasivas podem competir com as espécies indígenas e colocá-las sob uma pressão ainda maior", disse o relatório.

"Até agora, as populações geralmente têm conseguido se recuperar de eventos extremos", concluíram os pesquisadores. "Mas isto se tornará cada vez mais difícil à medida que a mudança climática progredir, até que em algum momento um limite além do qual mudanças irreversíveis sejam alcançadas, culminando na extinção de uma espécie".

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.