Perspectivas suíças em 10 idiomas

Suíça traça seu próprio caminho no labirinto da inflação

labirinto
Vários bancos centrais precisam escolher um caminho diferente no labirinto da inflação. KEYSTONE

Bancos centrais de todo o mundo estão fazendo mistério quanto às futuras tendências das taxas de juros. Em março, a Suíça surpreendeu todos ao baixar sua taxa de juros de 1,75% para 1,5%. Mas permanece difícil prever a direção geral das taxas, uma vez que diferentes países estão enfrentando pressões inflacionárias particulares.

Você acha esse tema interessante e gostaria de receber uma seleção do nosso melhor conteúdo diretamente no seu endereço e-mail? Assine nosso boletim informativo clicando AQUI.

Em 2022 e 2023, a inflação foi impulsionada pelos mesmos fatores em grande parte do mundo. O principal deles foi o enorme aumento nos preços da energia, consequência da invasão russa da Ucrânia. Além disso, após um período de baixo consumo por causa da pandemia de Covid-19 e dos congestionamentos logísticos globais, também houve uma onda de gastos por parte dos consumidores, o que impulsionou a inflação. Esses gastos foram ainda mais estimulados pelas taxas de juros extremamente baixas, que estavam próximas de zero e chegaram mesmo a ficar negativas em alguns países.

Essa situação forçou os bancos centrais a aumentarem as taxas de juros para combater o crescimento dos preços. No início deste ano, esperava-se que a inflação caísse para abaixo de 2%, o que ajudaria a reduzir as taxas de juros ao redor do mundo. Mas a realidade é que cada país está enfrentando uma situação particular.

+ Inflação atinge segunda maior alta em 30 anos

A Suíça, a Suécia, a República Tcheca e a Hungria reduziram as taxas de juros este ano, juntamente com a China, que em fevereiro decidiu realizar um corte maior do que o esperado para aliviar a carga sobre o setor imobiliário do país.

Conteúdo externo

Em março, em resposta a uma série de aumentos salariais no país, a taxa de juros do Japão subiu acima de 0% pela primeira vez em 17 anos. A Reserva Federal dos Estados Unidos manteve suas taxas sem alteração e, no início de maio, as autoridades americanas pareciam menos inclinadas a futuros cortes do que no início do ano. O Banco Central Europeu também está em cima do muro, mas dá sinais mais favoráveis a uma possível redução nas taxas de juros no meio do ano.

Os Estados Unidos, por serem a maior economia do mundo e o sistema financeiro dominante, geralmente assumem a liderança na definição das taxas de juros. Mas, de acordo com o economista-chefe do EFG Bank, Stefan Gerlach, atualmente há menos incentivos para que outros países simplesmente sigam o exemplo da Reserva Federal.

+ Banco Nacional Suíço anuncia corte inesperado nas taxas de juros

“Tudo depende de saber se essa inflação alta e persistente nos EUA é causada por fatores globais ou locais”, disse Gerlach à SWI swissinfo.ch. Se fatores globais, como a instabilidade geopolítica ou o aumento mundial nos preços dos combustíveis fósseis, forem a causa da inflação alta nos EUA, eles também terão o mesmo impacto em outros países. Nesse caso, é provável que outros bancos centrais sigam o mesmo caminho da Reserva Federal.

Mas Gerlach acredita que há evidências de que a inflação nos EUA é determinada majoritariamente por fatores internos. Por exemplo, os gastos desenfreados do governo americano, que chegaram a US$ 6,13 trilhões no ano passado, são parcialmente responsáveis por estimular a demanda do consumidor e a inflação. Houve ainda a recuperação do mercado de ações no final de 2023, que impulsionou as carteiras de ações e os fundos de pensão dos consumidores.

O caminho da Suíça

Se for o caso de a Reserva Federal estar sendo forçada a manter altas taxas de juros nos EUA por causa de condições internas isoladas, isso pode fazer com que outros países adotem políticas monetárias muito diferentes, argumenta Gerlach.

A contenção do crescimento dos EUA através de altas taxas de juros pode ter como consequência indireta o enfraquecimento das perspectivas econômicas em outros países, cuja economia está inevitavelmente ligada à dos EUA. Isso incentivaria outros bancos centrais a reduzirem as taxas de juros para estimular suas economias, sugere Gerlach. “A Reserva Federal pode estar desencadeando uma dinâmica monetária dupla, que dá impulso a movimentos em direções opostas ao redor do mundo”, disse ele.

O Banco Nacional Suíço (BNS) vem traçando seu próprio caminho, sendo um dos poucos bancos centrais a reduzirem as taxas de juros este ano.

Desde junho de 2023, a inflação suíça caiu para menos de 2%, chegando a 1% em março deste ano (veja o gráfico). Porém, em abril, logo após o BNS reduzir as taxas de juros, os preços ao consumidor aumentaram para 1,4%. “No cenário atual, a incerteza continua elevada, e novos choques podem ocorrer a qualquer momento”, disse o presidente do BNS, Thomas Jordan, em 26 de abril.

+ Taxa suíça de referência para aluguéis chega a 1,75%

O banco suíço Raiffeisen Switzerland também destaca que o impacto do aumento da taxa de referência para o mercado de aluguéis, que ocorreu em dezembro, só começará a se tornar evidente em meados deste ano.

Poupada do pior

Alguns economistas esperam um novo corte na taxa de juros suíça ainda este ano. A Suíça foi poupada das piores consequências da inflação devido à grande quantidade de energia que produz em suas usinas hidrelétricas e nucleares e à força do franco suíço, que mantém o custo das importações baixo.

Mostrar mais

 “Com o preço da energia diminuindo novamente e a normalização prevista para os preços dos serviços em função da fraca demanda interna, há condições para que o BNS diminua mais uma vez a taxa de juros ainda em 2024, talvez já na próxima reunião, que ocorrerá em junho”, disse GianLuigi Mandruzzato, economista do EFG Bank.

Segundo o Departamento Federal de Estatística, parte do aumento da inflação em abril também se deveu ao fato de as pessoas estarem reservando hotéis e comprando passagens aéreas para as férias do meio do ano.

O LGT Private Bank, sediado na Suíça, também está otimista quanto à redução das taxas de juros no país. “A ameaça da inflação ainda não foi completamente superada, mas espera-se que o Banco Nacional Suíço reduza ainda mais as taxas de juros ao longo do ano”, disse o banco em uma nota aos investidores enviada em 2 de maio.

Edição: Virginie Mangin/fh
(Adaptação: Clarice Dominguez)

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR