Navigation

Pesquisa suíça teve papel vital no novo medicamento contra Alzheimer

Aducanumab é a primeira droga contra o mal de Alzheimer a ser aprovada pela agência americana FDA em 20 anos, apesar de advertências sobre dados inconsistentes de ensaios clínicos . ©2019 David A White

Um tratamento recentemente aprovado para o Alzheimer foi desenvolvido sobre as bases da pesquisa científica suíça, diz a Universidade de Zurique.

Este conteúdo foi publicado em 09. junho 2021 - 11:41
swissinfo.ch/mga

Na segunda-feira, o órgão regulador de medicamentos dos Estados Unidos concedeu aprovação acelerada para o medicamento aducanumab, que será comercializado nos EUA como Aduhelm pela empresa de biotecnologia Biogen.

O princípio ativo do medicamento, o anticorpo aducanumab, foi descoberto por pesquisadores do Instituto de Medicina Regenerativa da Universidade de Zurique e da empresa biofarmacêutica Neurimmune, sediada em Zurique.

O Alzheimer é a forma mais comum de demência em idosos, afetando dezenas de milhões de pessoas em todo o mundoLink externo. É causada por depósitos de proteínas, chamadas placas amilóides, no cérebro que se acumulam ao longo dos anos e danificam os neurônios. Ela resulta em perda progressiva de memória e comprometimento das habilidades de aprendizagem, orientação, linguagem e planejamento.

Os pesquisadores de Zurique identificaram anticorpos que neutralizam os amilóides e "por fim descobriram a substância chamada aducanumab", disse a Universidade de Zurique em um comunicado de imprensa na segunda-feira à noite.

Neurimmune, uma empresa derivada da universidade fundada por dois de seus professores, diz em seu siteLink externo que está colaborando com a Biogen e a empresa japonesa Eisai para desenvolver o medicamento.

A decisão da US Food and Drug Administration (FDA) de conceder o tratamento "aprovação acelerada" foi recebida com algumas críticas. Os medicamentos podem ser acelerados "para proporcionar acesso mais rápido a terapias potencialmente valiosas para pacientes com doenças graves onde há uma necessidade não atendida", diz a FDALink externo.

A FDA concluiu que os prováveis benefícios do tratamento compensaram os riscos da aplicação de uma terapia com dados de ensaios clínicos limitados e inconsistentes.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.