Americanos radicados na Suíça se mobilizam para eleições

Jennifer Rodney participando de um protesto em Zurique. Courtesy Jennifer Rodney

Um mês antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos, dois americanos radicados na Suíça falam sobre a política de Trump e o papel que seu país de origem deve desempenhar no mundo.

Este conteúdo foi publicado em 20. outubro 2020 - 10:00
Jeannie Wurz

Jennifer Rodney mudou-se para a Suíça há 16 anos ao ser convidada a ocupar um cargo no UBS, o maior banco suíço. Ela conheceu seu marido, suíço, casou-se e agora vive em Zurique, onde trabalha para uma pequena ong.

Originária de Connecticut, ela é uma dupla-cidadã de Liechtenstein e dos Estados Unidos e fala o dialeto suíço-alemão "com imperfeições", confessa. Jennifer é membro da diretoria do grupo de defesa política "Action Together: Zürich" (Ação conjunta: Zurique, em tradução livre).

(Clique AQUI para ler a entrevista com James Foley, membro do grupo Republicanos no Exterior (Republicans Overseas), que vive e trabalha em Genebra.

swissinfo.ch: Quando as pessoas na Suíça veem que você é americana, qual é a primeira coisa que dizem ou perguntam?

Jennifer Rodney: Algumas mudam a expressão do rosto, no sentido de "ahh...me desculpe". Algumas mostram um brilho nos olhos, como se achassem engraçado. Como se quisessem dizer "ahh, que pena."

swissinfo.ch: Sua família era politicamente ativa?

J.R.: Minha avó por parte de pai era uma defensora ferrenha do direito de voto. Assim, desde muito cedo aprendi a importância de votar nas eleições presidenciais. Ela estava sempre trabalhando como assistente eleitoral. Mas isso era tudo. Não tínhamos uma forte afiliação com nenhum dos dois partidos.

swissinfo.ch: E agora, você é membro de um partido político nos Estados Unidos?

J.R.: Não, sou uma eleitora independente.

swissinfo.ch: Onde você estava na noite da última eleição presidencial americana? Do que você se lembra?

J.R.: Minha mãe estava me visitando aqui na Suíça. Então olhamos juntas os resultados das eleições antes de irmos para a cama. Ao acordarmos na manhã seguinte, esperávamos algo completamente diferente. Quando fomos dormir, pensamos: "Será um bom dia para acordar e comemorar juntas". Mas o resultado foi diferente do que imaginávamos.

swissinfo.ch: Você esperava a vitória de Hillary Clinton?

J.R.: É claro que esperava.

swissinfo.ch: Com uma palavra: como você descreveria sua reação à eleição de Donald Trump?

J.R.: "Temor", talvez? Estou tentando encontrar uma palavra que fique entre "perplexidade" e "horror".

swissinfo.ch: Quando, e por que, você se tornou politicamente ativa?

J.R.: Mais tarde, naquela manhã após a eleição, fui com meu filhinho a uma aula de música para pais e filhos. As mães americanas tinham o mesmo olhar atordoado em seus rostos. Algumas até tinham lágrimas nos olhos, literalmente. Depois disso uma das mães organizou uma reunião que levou à fundação da "Action Together em Zurique". Eu ingressei na diretoria na primavera de 2017.

Problemas urgentes

swissinfo.ch: Você está satisfeita com as mudanças ocorridas nos EUA nos últimos quatro anos?

J.R.: Não! A retórica se distanciou muito dos Estados Unidos representados na minha juventude. Eu acredito que este país ainda existe, mas com tudo o que a atual administração está fazendo e dizendo, é difícil reconhecê-lo.

swissinfo.ch: Como eleitora, quais temas são particularmente importantes para você?

J.R.: A questão mais importante no momento é obviamente a pandemia. Sei que nenhum país tem uma estratégia clara para sair dessa situação, mas aqui na Suíça - inicialmente um dos países mais duramente atingidos - posso viver com bastante normalidade no momento. Nos EUA, a situação é bem diferente. A pandemia deve ser enfrentada com uma política sólida e cientificamente fundamentada. Em segundo lugar, o racismo sistêmico nos EUA precisa ser combatido. E não apenas com palavras, mas com medidas concretas que são definidas com a orientação e a contribuição das comunidades afetadas. E, em terceiro lugar, a crise climática: ela ainda é encenada, de certa forma, como um pano de fundo das notícias, mas está visível no horizonte. E o tempo para enfrentá-la está se esgotando. Para mim, estes são os problemas mais urgentes - mas ainda há muitos outros.

swissinfo.ch: Como você se mantém informada?

J.R.: Minha leitura diária obrigatória são as "Cartas de uma americana" de Heather Cox Richardson. Ela é historiadora e envia diariamente um ensaio fantástico, resumindo os acontecimentos do dia em um contexto histórico. Ela aponta os pontos mais importantes e os resume tranquilamente, sempre em um contexto maior. Eu também leio as notícias na BBC para obter uma perspectiva internacional. Assim como as transmissões de rádio da NPR (rádio estatal no Estados Unidos). Nas mídias sociais sou mais ativa no Facebook, pois é lá que nascem nossas ideias para ações conjuntas.

Política partidária sem fronteiras?

swissinfo.ch: Onde você vê as principais diferenças entre as políticas americana e suíça?

J.R.: Adoro o fato de não existir na Suíça um sistema bipartidário. Penso que está na natureza das coisas: mais partidos criam mais estabilidade. Realmente eu aprecio isso na democracia suíça. Eu também acho ótimo que todos os eleitores recebam um pequeno pacote com informações neutras sobre os tópicos de votação. Acho que os suíços facilitam o mais possível a participação das pessoas no processo democrático.

swissinfo.ch: Quais são as principais diferenças entre os dois principais partidos republicano e democrata dos EUA?

J.R.: Acho que estamos menos divididos do que imaginamos. É fácil demonizar o outro lado. Mas, em última análise, todos nós queremos uma economia estável. Todos queremos boas escolas e oportunidades para nossos filhos, todos queremos um lugar seguro e sustentável para viver. Há muito mais coisas que temos em comum do que costumamos nos dar conta nos dias de hoje. É importante para mim ter isso em mente e procurar por esses pontos em comum. Quando se encontra pontos em comum, pode-se então começar o trabalho em conjunto.

swissinfo.ch: Que papel você acha que os EUA desempenham hoje no mundo?

J.R.: Obviamente, o mundo está mudando e não sabemos para onde está indo. Com a China, com a Rússia, com a União Europeia, as coisas estão mudando tão rapidamente. Mas acho que talvez os Estados Unidos não sejam "o", mas "um" grande protagonista no cenário mundial. E podemos desempenhar esse papel em cooperação com nossos aliados...ou não. Acredito que ainda temos um papel importante a desempenhar em crises e problemas globais, seja na luta contra a Covid-19, seja contra a crise climática, em questões de imigração ou de refugiados. Há muitas coisas que se beneficiariam de uma abordagem global coordenada. Temos, definitivamente, que desempenhar um papel.

Adaptação: Alexander Thoele

Ação conjunta: Zurique

Ação conjunta: Zurique é uma ong composta por várias centenas de ativistas, a maioria americanos. De acordo com Rodney, o grupo não tem orçamento, não cobra contribuições dos membros ou aceita doações. Seu objetivo é influenciar as questões políticas nos Estados Unidos no exterior. Sua atual campanha internacional, #passthevote (passe o voto, em tradução livre), tem como objetivo incentivar os cidadãos americanos que vivem no exterior a participar das próximas eleições.

End of insertion

Eleitores americanos no exterior

Entre 2,9 e 6,5 milhões de eleitores americanos vivem no exterior. Dependendo da fonte, entre 7% e 25% deles participaram das últimas eleições presidenciais. Cidadãos americanos que desejarem se registrar para votar do exterior podem verificar as diretrizes de votação de seu estado e solicitar uma cédula no site "votefromabroad.org". Devido as dificuldades vividas pelos Correios dos EUA em 2020, os estados incentivam os eleitores a solicitar uma cédula eleitoral o mais cedo possível.

Auxílios à votação

Vote do exterior (Vote from abroad): plataforma neutra de votação.

Programa Federal de Assistência ao Voto nos EUA (Federal Voting Assistance Program): site do governo para o registro e solicitação do título de eleitor.

Cidadãos americanos vivendo no exterior (American Citizens Abroad): organização de membros que fornece informações e faz lobby.

Republicanos no exterior (Republicans Overseas): organização de membros do Partido Republicanos.

Democratas no Exterior (Democrats Abroad): organização de membros do Partido Democrata.

End of insertion
Partilhar este artigo