Navigation

Esquerda não irá comemorar os 100 anos de comunismo na China

Xi Jinping com outros quadros do PC chinês em uma cerimônia de encerramento do 19º Congresso Popular, em Pequim, em 2017. Copyright 2017 The Associated Press. All Rights Reserved.

A China celebra em grande estilo o 100º aniversário do Partido Comunista. Já na Suíça, França ou Reino Unido, a esquerda prefere se manter discreta. Por que o distanciamento de Pequim?

Este conteúdo foi publicado em 02. março 2021 - 16:00
Alain Meyer

Os comunistas suíços não viajarão à capital chinesa no verão como, no passado, costumavam viajar para Moscou. Enquanto as autoridades na China se preparam para comemorar o primeiro congresso nacional do Partido Comunista, realizado em 1921, a extrema-esquerda helvética se distancia dos chineses.

"Esta China, que busca uma economia de mercado e uma política expansionista, está longe de refletir as aspirações do Partido Trabalhista Popula (POPLink externo, na sigla em francês) do meu cantão", diz Julien Gressot, vereador da cidade de La Chaux-de-Fonds.

O POP e o PdA (Partido do Trabalho), que é sua versão na Suíça alemã, têm dez seções cantonais na Suíça: Neuchâtel, Vaud, Genebra, Valais, Jura, Ticino, Berna, Zurique, Basel-City, St. Gallen. A seção do cantão de Neuchâtel é a mais ativa, e é nela que este partido descendente do Partido Comunista Suíço, que foi banido pelo Conselho Federal (governo nacional) em 1940, está crescendo em popularidade. Em Neuchâtel, o POP conta agora com cerca de 350 militantes.

Julien Gressot, vereador do POP na Câmara Municipal de La Chaux-de-Fonds. Ateliervisuel.com

O número de membros tem aumentado desde 2019, principalmente devido ao aumento dos movimentos feministas e pró-clima. O PdA da Suíça conta com entre 1.000 e 1.200 membros.

O partido também tem tido algum sucesso no cantão de Vaud nos últimos dois anos. "Isto nunca aconteceu em 12 anos", enfatiza o secretariado da seção cantonal. O mesmo acontece na Suíça de língua alemã, onde uma seção de PdA foi reativada na Basiléia há dois anos.
Políticos sob observação

Ademais, alguns de seus membros são atualmente ativos em conselhos municipais, como o vice-prefeito de La Chaux-de-Fonds, Théo Bregnard.

Quinze quilômetros mais adiante, em Le Locle, o "popista" (membro do POP) Denis de la Reussille também é um está na assembléia legislativa local há quase 25 anos. Ele também foi eleito ao Conselho Nacional (Câmara dos Deputados), seguindo assim os passos de seu pai, Charles. Este último se afiliou ao PdA aos 18 anos de idade, pouco depois do partido ter sido fundado em 1944.

"Os temas das campanhas naquela época eram a melhoria do seguro da terceira idade e dos dependentes em caso de falecimento, abonos de família, três semanas de férias e direito de voto das mulheres", lembra Charles de la Reussille no livro "Memórias de um Popista Popular, Jogador de Hóquei e ViajanteLink externo" do jornalista Robert Nussbaum.

No final dos anos 80, a população suíça ficou espantada ao descobrir que mais de 900 mil cidadãos haviam sido fichados pelas autoridades do estado, principalmente por causa de sua filiação política (Fichenscandal, "Escândalo das Fichas").

Charles de la Reussille também tinha estado sob vigilância das autoridades. Quando o político pôde consultar sua ficha, ele descobriu que ela mencionava contatos com "comunistas de La Chaux-de-Fonds". "Eles me chamavam de comunista, mas eu era e sou popista. O POP nunca incluiu em seus estatutos a ditadura do proletariado, o objetivo dos 'verdadeiros partidos comunistas'", diz o militante da primeira hora.

"Originalmente o POP consistia de antifascistas e membros decepcionados do Partido Social Democrata, que naquela época tinha ajudado a proibir o Partido Comunista Suíço. Uma decisão absolutamente antidemocrática", diz o parlamentar da cidade Gressot.

Inspiração para a esquerda

O historiador Pierre Jeanneret é o autor de estudos sobre o movimento dos trabalhadores. Segundo o especialista, o POP já estava ganhando popularidade em uma época em que seus líderes estavam "quebrando as trelas de Moscou". Ele menciona, por exemplo, a importância do popista do cantão de Vaud, Josef Zisyadis, na Suíça durante os anos 90 e início dos anos 2000.

Denis de La Reussille, do partido POP em Le Locle, também é deputado-federal em Berna. © Keystone / Anthony Anex

O então ministro era omnipresente e assertivo. Jeanneret afirma que as iniciativas popistas ainda hoje poderiam servir de motivação para toda a esquerda.

"A ideia de um salário mínimo nasceu nas fileiras do POP", diz o historiador. "Hoje, o partido defende os pobres na sociedade, os caixas de supermercados, assistentes de lojas, trabalhadores de restaurantes, etc.".

Para os popistas suíços, as celebrações de cem anos de comunismo chinês parecem muito distantes. Isto, apesar dos vestígios deixados pelos movimentos maoístas na Suíça.

Por exemplo, Nils Andersson, nascido na Suíça de pai sueco, foi expulso da Suíça em meados dos anos 1960 por publicar escritos em apoio às populações sofredoras da Argélia e do Vietnã.

Andersson tinha até publicado uma versão francesa do pensamento do "Grande Secretário-Geral" Mao. Atualmente, os movimentos que ainda defendem esta doutrina são "muito insignificantes", diz Jeanneret.

Grã-Bretanha: votos de leal amizade

No entanto, a China comunista não deixa toda a Europa indiferente. O Partido Comunista da Grã-Bretanha (PCLink externo), que também acaba de celebrar seu centenário, quer permanecer fiel a suas velhas amizades. Com alguns ajustes, no entanto.

"Nós costumávamos ser solidários com o povo chinês diante do domínio estrangeiro. Mas a partir dos anos 60 e 70, sérias diferenças começaram a se formar sobre o caminho a seguir", diz o secretário do Partido Comunista, Robert Griffiths.

O presidente chinês Xi Jinping é ovacionado em Pequim durante um desfile em homenagem ao PC chinês, em 2019. Copyright 2019 The Associated Press. All Rights Reserved

"Na Grã-Bretanha vemos que o capitalismo asfixiou o progresso ambiental, cultural e político. A China, no entanto, está agora confiando na economia para erradicar sua pobreza em massa".

O PC também viu um aumento no número de membros em 2020, esvaziando as fileiras do Partido Trabalhista que está à beira do colapso desde as últimas eleições em 2019.

O partido foi formado a partir da fusão dos movimentos marxista e socialista em 1920, e agora tem pouco mais de mil membros na Inglaterra, Escócia e País de Gales. "Desde nossa última convenção em 2018, vimos um aumento de 30% nas afiliações", diz Griffiths.

Na bandeira do Partido Comunista britânico ainda se vê a imutável doutrina de Marx: "Trabalhadores de todos os países, uni-vos...". Para o período pós-Brexit, os membros da PC aspiram a uma sociedade na qual a produção, distribuição e comércio sejam planejados para o benefício de todos através de um programa que apela para "a transformação revolucionária da sociedade e o fim do capitalismo".

França: comprometidos com um Ideal

O Partido Comunista Francês (PCFLink externo) também está comemorando seu 100º aniversário. No final de dezembro de 1920, o congresso da seção francesa da Internacional Socialista dos Trabalhadores criou a Internacional Comunista em Tours, depois o PCF um ano depois.

"Chegamos aos 100 anos de idade porque mantivemos o apego ao nosso ideal", disse recentemente o secretário do partido Fabien Roussel ao jornal Libération.

"Continuamos revolucionários e anticapitalistas, mas com respeito à vida democrática". Eles são "vermelhos" que agora estão um pouco mais “verdes” por causa da crise climática. Nenhuma menção, porém, sobre as celebrações previstas em Pequim.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.