Navigation

Preso em Angola o controverso investidor Jean-Claude Bastos

O suíço-angolano Jean-Claude Basto é o pivô do escândalo que envolve o Fundo Soberano de Angola (FSDEA) e sua empresa, a Quan­tum Global, As autoridades angolanas estimam que os arranjos de Bastos lhe permitiram desviar mais de US$ 1,5 bilhões dos cofres públicos. jeanclaudebastosdemorais.com

Segundo as agências de notícias locais, o chefe angolano-suíço do fundo Quantum Global, baseado em Zug, foi detido sob suspeita de desvio de fundos nacionais.

Este conteúdo foi publicado em 25. setembro 2018 - 16:06
Keystone-ATS/ac

Bastos foi citado nas revelações do "Paradise Papers" e até recentemente gerido o fundo soberano angolano. O seu patrão, José Filomeno dos Santos, ex-dirigente do fundo soberano angolano e filho do antigo Presidente José Eduardo dos Santos, também foi preso. Santos havia sido demitido do cargo em janeiro passado pelo novo presidente de Angola, João Lourenço.

O procurador-geral de Angola, Álvaro Da Silva João, disse que os acusados ​​foram colocados sob prisão preventiva na segunda-feira porque havia provas suficientes de que eles haviam se envolvido em atividades corruptas.

Cobrança de apropriação indébita

De acordo com o Ministério das Finanças angolano, dos Santos é suspeito de ter desenvolvido, enquanto administrava o Fundo Soberano de Angola, uma fraude que poderia ter permitido que ele e seus cúmplices desviassem até US$ 1,5 bilhão (CHF 1,4 bilhão).

O golpe fazia parte de um plano que permitiria que Angola se beneficiasse com US$ 35 bilhões em financiamentos, com uma falsa garantia do banco Credit Suisse, dizem os relatórios. A fraude foi descoberta por meio de uma transferência suspeita de US$ 500 milhões para a conta londrina do Credit Suisse, bloqueada pelas autoridades britânicas.

A Procuradoria-Geral da Suíça anunciou em maio que havia aberto uma investigação sobre lavagem de dinheiro vinculada a ativos mantidos pelo Banco Nacional de Angola e pelo fundo soberano angolano. Várias buscas foram solicitadas, inclusive nos escritórios de Bastos na Suíça.



Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?