Navigation

Deputado da diáspora suíça renuncia

Tim Guldimann, membro do partido socialista, está deixando seu lugar na Câmara dos Deputados em março. O ex-diplomata foi o primeiro político eleito para o parlamento suíço enquanto vivia como suíço do estrangeiro.

Este conteúdo foi publicado em 19. fevereiro 2018 - 14:30
Quando Guldimann foi eleito em 2015, ele defendeu sua decisão de permanecer em Berlim com sua família Keystone

Seu partido disse que Guldimann, que anteriormente serviu como embaixador da Suíça na Alemanha, desistiria no final da sessão parlamentar da primavera.

Guldimann cita razões pessoais para sua decisão de abdicar após dois anos e meio de mandato. Fabian Molina, ex-líder do partido Juventude Socialista, será seu sucessor.

Guldimann foi eleito em 2015 e defendeu firmemente sua decisão de permanecer em Berlim, onde mora com sua esposa e duas filhas. Como próprio expatriado, ele "esperava dar voz aos suíços do estrangeiro", cujos interesses, segundo ele, estavam subrepresentados na política suíça.

Ele se referia frequentemente a si mesmo como "Conselheiro Internacional", em oposição a "Conselheiro Nacional" (o termo usual para um membro da Câmara dos Deputados da Suíça) durante seu período no parlamento.

Guldimann também foi membro do Conselho Suíço do Estrangeiro, uma assembleia da Organização dos Suíços do Estrangeiro (OSE)Link externo.

Distância

Em uma declaração aos membros de seu partido, o ex-diplomata declarou que "é difícil viver em um lugar e fazer política em outro". Para compensar a distância entre Berlim e a Suíça, ele teria que passar muito mais tempo em seu cantão, Zurique, o que seus deveres familiares acabaram não permitindo.

Em uma entrevista ao jornal suíço Tages-Anzeiger, Guldiman disse que a Suíça ainda tinha que percorrer um longo caminho para criar igualdade entre os sexos. "Mesmo o menor passo na direção certa é bloqueado imediatamente", disse. Ele também criticou a Suíça pela sua atitude em relação à União Europeia.

"É apenas uma questão de nos arrumar com eles, não precisamos aderir à UE", disse.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.