Navigation

Tentativa de chantagem ao ministro da Saúde cai por terra

Berset tem desempenhado um papel proeminente durante a pandemia de coronavírus. Keystone / Anthony Anex

Uma mulher que tentou chantagear o ministro da saúde suíço Alain Berset no ano passado foi multada após retratar suas acusações contra ele. 

Este conteúdo foi publicado em 23. novembro 2020 - 09:55
swissinfo.ch/mga

A tentativa de chantagem veio à tona neste fim de semana, quando o jornal Weltwoche publicou uma versão revista do edital de punição emitido pelo tribunal que multou a chantagista em setembro.

Muitos dos detalhes do caso permanecem desconhecidos, mas parece que em novembro de 2019 a mulher não identificada ameaçou divulgar cartas e fotografias a menos que a Berset lhe pagasse CHF 100.000 (US$110.000).

A demanda de pagamento não foi atendida e, em vez disso, Berset fez uma queixa criminal.

O porta-voz do Ministério do Interior, Peter Lauener, disse à agência de notícias Keystone-SDA que as denúncias da mulher, relacionadas à vida privada da Berset oito anos atrás, eram "falsas e difamatórias". O advogado de Berset disse que a chantagista havia mais tarde retirado suas declarações.

"Como ministro do governo, [Berset] é infelizmente muitas vezes vítima de atividade criminosa", disse Lauener ao jornal Blick am Sonntag. "O conselheiro federal Berset não pode ser chantageado", acrescentou ele.

Berset, cujo departamento de assuntos internos abrange saúde, cultura e previdência, tem sido um dos mais proeminentes ministros do governo durante a pandemia do coronavírus.

O escritório da Procuradoria Geral da Suíça (OAG) disse ter apagado dados do computador da chantagista relacionados com o caso. O procurador federal disse que isso foi feito como uma questão de rotina e não como um favor à Berset.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo