Mais de 50 mil pessoas foram barradas de entrar na Suíça

Desde as primeiras restrições de entrada no país, no dia 13 de março, os agentes da alfândega suíça já barraram cerca de 56.000 pessoas.

Uma fronteira fechada entre a Alemanha e a Suíça em Weil am Rhein Keystone / Georgios Kefalas

Confirmando os números divulgados pela primeira vez no jornal Le Matin Dimanche, a Administração Federal de Alfândega (AFA) também disse que tem emitido uma média de 150 multas por dia para aqueles que violam as novas regras de fronteira.

Tais casos incluem pessoas que continuam fazendo compras do outro lado da fronteira, danificando barreiras nas fronteiras ou cruzando pontos não autorizados.

Embora não tenham fornecido números precisos sobre o número de multas emitidas para cada infração, uma porta-voz da alfândega disse à agência Keystone-SDA que o número de multas por atravessar a fronteira para ir às compras era muito menor no cantão do Ticino - onde as regras italianas de entrada são muito rígidas - em comparação com o cantão de Genebra, que faz fronteira com a França.

No dia 13 de março, o governo suíço limitou a travessia da fronteira terrestre a partir da Itália, uma medida que depois se estendeu à Alemanha, França, Áustria, Espanha e, mais tarde, a toda a região Schengen.

Atualmente, apenas cidadãos suíços, residentes suíços, trabalhadores transfronteiriços e quem vem à Suíça a negócios podem entrar no país por terra.

Cinco pontos de fronteira no cantão de Genebra, que haviam sido fechados, foram reabertos para o tráfego fronteiriço na segunda-feira, quando o país entrou na primeira fase de saída do isolamento contra o coronavírus.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo