Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Cantar para se integrar Coral brasileiro é abrigo espiritual para imigrantes

Abraçando brasileiros de todas as origens, o coral Canta Brasil procura atingir o timbre certo quando o tema é integração. Proporcionando um oásis de apoio emocional, amizade e educação, o grupo completa 15 anos de valorização e intercâmbio cultural. A swissinfo.ch aproveita para conferir um ensaio e descobrir as histórias humanas por trás das partituras.

Uma capela na frente de uma rua

A "Kapellehof" da diocese de Baden é o local dos ensaios. 

(swissinfo.ch)

É com aquele arrepio de excitação que eu escuto de longe os versos de Aquarela do Brasil ecoando numa capela nos arredores de Baden: "É o meu Brasil brasileiro, terra de samba e pandeiro". Logo me aproximo e ao abrir a porta me deparo com as donas das vozes. São as intensas e calorosas coristas do grupo Canta Brasil alinhadas em um semicírculo no altar. 

Sinto-me em casa com a euforia dos amplos gestos de afeto com que sou saudada. É um excedente de carinho tão tipicamente brasileiro que até parece exagerado, mas sente-se muito autêntico no coração. A coordenadora Sandra Rodrigues Urech caminha ao meu encontro e promete conversar depois do ensaio.

Há quinze anos que semanalmente é assim: cantoras das mais diversas origens se reúnem para aprofundar através da música a experiência da integração. Ensaiando, trocam relatos de vivência dos diferentes "Brasis" que deixaram e das "Suíças" onde habitam. Sob a batuta de Sandra, buscam e encontram respostas para compreenderem a si mesmas e o país que adotaram como lar.  

Imbuída da determinação necessária para comandar o irrequieto grupo, Sandra não abre mão do bom humor enquanto rege clássicos como "Maria, Maria" de Milton Nascimento. Há uma teatralidade nos gestos que mantém todos atentos. "Olha a boca do bêbado! Tá caindo a nota. Ó, levanta essa boca aí", protesta. "Ei, quem pisou no rabo do gato? Deixa o bicho em paz" reclama dos eventuais desafinos. É nesse tom professoral alegre que o ensaio se estende por quase duas horas e termina pontuado com uma festinha no salão paroquial.

Canto para integrar

Quando a missão de Sandra se encerra, ela vem me contar a história do grupo. "A ideia não foi minha, mas eu abracei e chegamos até aqui", diz. Tudo começou em 2003, com reuniões na casa de Anna e Leon Charlier na Argóvia. Depois de crescer e alternar endereços, o coral encontrou um abrigo definitivo em 2014 graças ao padre Marquiano Petez, que o acolheu na Kapellehof da diocese de Baden.  

Em 2011 a demanda da comunidade de Zurique fez nascer um segundo núcleo, que se reúne às sextas-feiras no CEBRAC, Centro Brasil Cultural, até abril de 2016. Nas apresentações os dois grupos se unem chegando a totalizar cerca de 30 pessoas. "É que todo ano entra e sai muita gente", explica Sandra. Esse trânsito faz parte da dinâmica fluída no exercício de integração desempenhado pelo projeto. "As pessoas chegam aqui às vezes emocionalmente dilaceradas e no processo de cantar se descobrem, se empoderam, se fortalecem e voam novamente". 
   
Embora os ensaios sejam somente às segundas e sextas, Sandra está disponível a semana inteira 24 horas por dia. Veterana do Conselho Brasileiro na Suíça, ela conta que seu papel é justamente de dar suporte, ajudar e confortar os brasileiros. É nas conversas com Sandra que muitos encontram o encorajamento de que precisam. Prover apoio emocional é o diferencial fundamental do grupo. Na Suíça existem mais de 1480 corais que juntos engajam 44 mil cantores*, mas só o Canta Brasil proporciona o que a regente chama de "terapia de integração". 

Crise de identidade

Amazonense de ascendência indígena, a bióloga Delci Franzi é uma das beneficiadas pelo projeto. Chegada à Suíça em 2012 ela tem dois filhos, mora na região de Olten e juntou-se ao coral por recomendação. A ex-pesquisadora explica que viveu uma "crise de identidade" ao desembarcar na Europa e o canto tem a ajudado a se redescobrir. "Eu engravidei logo que cheguei. Não consegui estudar o alemão e fui muito desrespeitada pela família do meu esposo. Senti o trator passar por cima de mim me atropelando. As cobranças foram muito grandes então eu me bloqueei. Foi muito doloroso. Até entrei em depressão", diz.   

Por meio da música e dos relacionamentos que desenvolveu no coral Delci reencontrou a autoconfiança para superar esse bloqueio e valorizar sua identidade. "Estou me redescobrindo como uma mulher brasileira com potencial para desabrochar à vida. O coral tem feito isso comigo e é muito gratificante". "Agora pretendo estudar, desenvolver uma nova atividade financeira e explorar outras oportunidades", planeja.

A bióloga Delci Franzi é uma das brasileiras que participa do projeto.

(swissinfo.ch)

A carioca naturalizada suíça Beth Vila questiona se a palavra integração não anda muito "inflacionada". "Admito que tem momentos que fico pensando isso, porque até eu não falo perfeitamente o dialeto", diz a tradutora de alto alemão que trabalha para os órgãos do governo e chegou à Suíça em 1983. "Fato é que me sinto em casa e sou muito feliz aqui", completa, enquanto afaga a cachorrinha mini-poddle Glória, que é a mascote do grupo.    

Só conversar com o filho em suíço-alemão, fazer cara feia quando escuta português na rua, falar mal do Brasil. Esses são tropeços comuns elencados por Sandra e que dificultam na genuína adaptação. "Em algum momento quem faz isso sofre, porque está negando a si mesmo", avalia a regente. "O nosso objetivo é trabalhar essa energia. Se não tivermos cuidado, nós brasileiros nos perdemos, porque é um choque cultural imenso", acredita. 

"Me afastei da minha cultura"

A economista pernambucana Paula Studer reconhece ter "pecado" na educação das filhas de onze e nove anos. Hoje as meninas sabem português, mas se expressam predominantemente em suíço-alemão. "Elas não querem falar comigo em português e dizem que eu canto mal. O idioma lá em casa é o suíço-alemão", conta. 

Paula está há 17 anos no país e trabalha com finanças em Zurique. Ela tem um círculo de amigos locais e conquistou o desafio da integração. "Se inserir é a chave para estar bem, mas eu acho que passei muito tempo longe da minha comunidade, me afastei demais da minha cultura", avalia, ponderando que o processo de adaptação é uma via de duas mãos, onde nenhuma das identidades deve ser negligenciada. "Para mim, vir ao coral é justamente importante porque é onde eu resgato o meu Brasil". 

Morando há 14 anos no país e frequentando há onze anos os ensaios, a avó sexagenária e dona de casa Maria Bruggmann resume a essência do coral com um sorriso no rosto: "Esse grupo é a família brasileira que falta a muitos de nós aqui na Suíça. O ensaio é o lar da gente, onde a gente chega triste e sai contente".    

Onde encontrar

Ensaio em Baden

Horário: às segundas-feiras de 19:30 a 21:00 horas.
Endereço: Kapellenhof, Bruggerstrasse 143, 5400 Baden

Ensaio em Zurique

Horário: às sextas-feiras de 19:30 a 21:00 horas.
Endereço: Regensbergstrasse 101, 8050 Zurique

Contato:

Sandra Rodrigues Urech 
Cantabrasil@gmx.ch 
+41 76 572 03 13  

Aqui termina o infobox

*= Dados da União Suíça de Corais (Schweizerische Chorvereinigung). 

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.