Estações de trem suíças implementam novas regras anti-tabagismo

Após a fase de testes, as estações de trem suíças continuarão com um plano para restringir o fumo a um máximo de duas zonas designadas por plataforma a partir de 1º de junho do próximo ano, anunciou a Associação Suíça de Transporte Público (UTP).

Este conteúdo foi publicado em 23. novembro 2018 - 15:30
Na Suíça, fumar em trens foi proibido em 2005. Os prédios das estações tornaram-se livres do fumo, mas os passageiros ainda podem fumar nas plataformas © Ti-Press

A UTP declarou em um comunicado de imprensa na sexta-feira (23) que a mudança deve levar a uma melhor qualidade do ar, bem como uma redução dos custos de limpeza das estações. Os detalhes da implementação deste regulamento serão resolvidos nos próximos meses, acrescentou.

A associação trabalhou no ano passado com o Ministério dos Transportes da Suíça, a Companhia Ferroviária Federal e a Ferrovia Rética para testar diferentes regulamentações antitabagismo em seis estações em todo o país, desde estações totalmente livres de fumaça a estações com áreas para fumantes ou “lounges”.

Um estudo realizado por eles revelou que os inconvenientes causados pelo fumo - especialmente fumaça e pontas de cigarro - afetam significativamente a qualidade do tempo gasto nas estações de trem suíças e levam a custos mais altos de limpeza.

Em comparação com outros países europeus, os regulamentos sobre o fumo nas estações de trem suíças são extremamente liberais. Na Grã-Bretanha, França, Itália, Áustria, Holanda, Bélgica e Espanha, há uma proibição completa de fumar em estações de trem, enquanto na Alemanha e na Noruega, é permitido fumar apenas em zonas designadas.

Na Suíça, fumar nos trens foi proibido em 2005. Os prédios das estações tornaram-se livres do fumo, mas os passageiros ainda podem fumar nas plataformas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo