Navigation

Skiplink navigation

Suíça reduz força de paz no Kosovo

Este conteúdo foi publicado em 25. novembro 2016 - 15:08
swissinfo.ch com agências

Depois de mais de uma década ajudando a manter a paz no Kosovo, a Suíça planeja manter seu contingente armado no país dos Balcãs, mas está reduzindo seu contingente.

Uma missão alargada no Kosovo com um contingente menor Keystone

O governo suíço declarou na quinta-feira que reduziu a força máxima autorizada da Swisscoy, o contingente da Suíça dentro da força multinacional do Kosovo (KFOR) desde 1999.

O mandato da Swisscoy também foi prorrogado até o final de 2020 e o governo disse que "se reserva o direito" de aumentar o número de tropas novamente se necessário para manutenção de curto prazo ou para proteção contra uma ameaça maior.

"A estabilidade nos Balcãs Ocidentais, incluindo no Kosovo, é essencial para a segurança da Suíça", disse o governo em comunicado, acrescentando que o compromisso militar suíço de promover a paz no Kosovo depende do fortalecimento da consolidação militar "quantitativa e qualitativamente".

No entanto, a decisão do governo reduzirá a força máxima autorizada da Swisscoy para 190 soldados, de seu nível atual de 235 soldados, nos próximos anos. Os cortes afetarão principalmente os esforços suíços de ajuda com transporte e engenharia.

O Kosovo está em recuperação desde a guerra de 1999 entre os sérvios étnicos e os kosovares albaneses, mas muitos kosovares, especialmente os jovens, estão saindo para escapar da pobreza generalizada e do desemprego. Grande parte da infraestrutura foi reparada e um dos setores promissores é o turismo.

A Suíça segue uma tendência geral observada entre as tropas da KFOR, que reduziu a sua força global desde 1999 de 50.000 para 4.650. Outras reduções estão previstas para 2.600 soldados de paz até 2020.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo