AFP

A presidente Dilma Rousseff durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto

(afp_tickers)

A Conferência Permanente de Partidos Políticos da América Latina (Coppal) rejeitou o que qualificou de "golpe institucional" em marcha contra a presidente Dilma Rousseff, em um comunicado divulgado nesta terça-feira, em Manágua.

O vice-presidente da Coppal, o nicaraguense Francisco Rosales, leu um comunicado que "rejeita qualquer tentativa desestabilizadora de minar a democracia" no Brasil.

A Coppal, que agrupa cerca de 60 partidos de esquerda, advertiu que um golpe institucional "é um fato que afeta toda a região", como ocorreu em 2009 em Honduras, e em 2012 no Paraguai, quando o Congresso destituiu um presidente eleito.

Entre os partidos que integram a COPPAL estão o Partido Institucional (PRI) do México, a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) da Nicarágua e o Partido dos Trabalhadores (PT).

No domingo passado, a Câmara dos Deputados aprovou o andamento do processo de impeachment contra Dilma, que a partir de maio poderá ser afastada da presidência pelo Senado para ser julgada por maquiar as contas públicas com as chamadas "pedaladas fiscais".

afp_tickers

 AFP