Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um diretor da empresa Google desculpou-se nesta segunda-feira (20) pela aparição de anúncios do governo e de empresas britânicas atrelados a conteúdos racistas e extremistas em suas plataformas de internet e Youtube

(afp_tickers)

Um diretor da empresa Google desculpou-se nesta segunda-feira (20) pela aparição de anúncios do governo e de empresas britânicas atrelados a conteúdos racistas e extremistas em suas plataformas de internet e Youtube.

O pedido de desculpas de Matt Brittin, presidente da divisão para a Europa, Oriente Médio e África, aconteceu após os bancos britânicos HSBC e RBS, e a loja de departamento Marks and Spencer (M&S) decidirem retirar seus anúncios publicitários do Google.

"Gostaria de pedir desculpas aos sócios e anunciantes que possam ter sido afetados por seus anúncios aparecerem ao lado de conteúdos polêmicos", declarou Brittin em comunicado.

No caso do Youtube, por exemplo, a publicidade contratada aparece junto aos vídeos, e uma parte do dinheiro vai aos autores desses vídeos, dentre os quais existem vários tipos, incluindo grupos extremistas.

"Levamos nossas responsabilidades (...) muito a sério", afirmou Brittin, prometendo introduzir medidas para que casos como esse não se repitam.

A filial britânica da empresa de publicidade francesa Havas também retirou os anúncios do Google, e outros anunciaram que, ao menos temporariamente, farão o mesmo, como a BBC e o The Guardian, além da divisão britânica da cadeia de restaurantes McDonald's.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

AFP