AFP

(Arquivo) O presidente boliviano, Evo Morales, em La Paz, no dia 24 de fevereiro de 2016

(afp_tickers)

O presidente da Bolívia, Evo Morales, visitou neste sábado o colega venezuelano, Nicolás Maduro, e reiterou seu apoio ante a crise política no país petroleiro.

"Toda a nossa solidariedade, todo o apoio do povo boliviano", disse Morales, enquanto cumprimentou Maduro pelos exercícios militares das Forças Armadas venezuelanas realizados neste fim de semana.

Morales assegurou que o presidente venezuelano "conta com o povo boliviano, nossos movimentos sociais", advertindo que haverá "provocações ou agressões".

Morales, que foi derrotado em um referendo que pretendia validar uma possível reeleição presidencial em seu país, afirmou que os bolivianos "foram enganados pela direita".

O presidente da Bolívia afirmou que o mesmo acontece na Venezuela, e atribuiu a culpa aos meios de comunicação "que tergiversam as informações".

Referindo-se ao afastamento de Dilma Rousseff de seu cargo no Brasil, Morales disse que, "antes, era golpe militar; agora, é congressional, judicial. Mas apenas para governos de esquerda, não para a direita."

Morales reuniu-se com Maduro em uma escala de seu retorno de Cuba, onde se reuniu com Fidel e Raúl Castro.

afp_tickers

 AFP