Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A chanceler colombiana, María Ángela Holguín, em Washington, DC, no dia 1º de agosto de 2016

(afp_tickers)

A decisão de renegociar o acordo para terminar com meio século de conflito armado na Colômbia depende das Farc - disse nesta terça-feira (4) a chanceler María Ángela Holguín, dois dias depois de o pacto com essa guerrilha marxista ter sido rejeitado em um plebiscito.

"A decisão de abrir, ou não, os acordos é mais uma decisão das Farc", afirmou em coletiva de imprensa Holguín, membro da delegação que negociou em Cuba com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) - principal e mais antiga guerrilha do país.

A ministra acrescentou que Humberto de la Calle, chefe negociador do governo, e o alto comissário da Paz, Sergio Jaramillo, estão em Havana reunidos com os delegados das Farc para avaliar sua disposição de revisar o que foi acordado.

"O acordo foi encerrado e assinado em 26 de setembro. Assim, a decisão não é do governo", enfatizou em coletiva de imprensa, assinalando que existe "toda a disposição" para ouvir as razões dos que votaram pelo "Não".

Designada na segunda-feira (3) pelo presidente Juan Manuel Santos para dialogar com os opositores ao pacto, Holguín disse que "não deve passar muito tempo" para os que rejeitaram o acordo, liderados pelo ex-presidente Álvaro Uribe, "listarem o que querem revisar".

"Aqui a paz está em jogo, o término de um conflito de 52 anos", insistiu.

A ministra disse esperar que a reunião com os porta-vozes do Centro Democrático, partido de direita liderado por Uribe, aconteça o mais rápido possível.

Sobre como a comunidade internacional recebeu a rejeição ao acordo, após o apoio dado aos diálogos de quase quatro anos, Holguín assinalou: "bastante aterrorizada".

"Todas as ligações que recebi foram de decepção e de que não entendem como um país não opta pela paz. Mas, ao mesmo tempo, ouvi muitos apoiadores e muitos dizendo 'espero que as forças políticas tenham maturidade para ver rapidamente como se pode retomar o caminho do fim do conflito'", assinalou.

A respeito dos recursos que muitos países tinham prometido à Colômbia para implementar o acordo, a ministra disse: "Tudo fica congelado. Os países vão esperar para ver o que acontecerá para contribuir".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP