Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Aquecimento global Ativistas exigem reforma da política climática suíça

A organização ambientalista Greenpeace encenou um protesto simbólico contra a política climática oficial da Suíça.

Shore of Lake Constance with boat and landing peer at low water level

Os níveis de água do Lago de Constança, no leste da Suíça, caíram consideravelmente, infestando as margens de algas

(Keystone)

Ativistas se reuniram na quarta-feira (08) em frente ao Parlamento suíço, na capital Berna, e levantaram faixas, apoiadas por balões, pedindo uma política climática livre de CO2 e o fim do uso de combustíveis fósseis na Suíça.

Os manifestantes também mostraram fotos tiradas durante um período de seca, que o grupo ambientalista diz ser causado pela mudança climática.

"Temos que agir agora se quisermos proteger nossa saúde, os glaciares, os campos verdes, a água e a biodiversidade", disse o especialista em clima do Greenpeace, Georg Klingler.

Para Klingler, a Suíça está ficando atrás de outros países europeus e a pegada de carbono dos cidadãos suíços está em um nível alto.

Espera-se que o Parlamento inicie discussões no final deste ano sobre as emendas legais para harmonizar as leis suíças com o acordo climático de Paris, assinado por 196 países.

Iniciativa planejada

Enquanto isso, um grupo de cidadãos anunciou que planeja lançar uma iniciativa popular no ano que vem, pedindo ao governo e ao parlamento que proíbam completamente os combustíveis fósseis até 2050.

Eles têm 18 meses para coletar pelo menos 100.000 assinaturas para lançar uma votação nacional sobre o assunto.

Os ativistas dizem que seu objetivo é ambicioso, mas necessário, e querem que a Suíça siga outros países, especialmente a Suécia e a Holanda, que estabeleceram metas semelhantes.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

advent calendar

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.