Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados do Exército na entrada da Vila do João, no Rio de Janeiro, em 13 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, artífice das Unidades de Polícia Pacificadora nas comunidades, renunciou nesta terça-feira após uma escalada da violência em plena crise financeira no estado do Rio.

"O secretário José Mariano Beltrame pediu para sair do governo" a partir do próximo mês, informou em um comunicado enviado à AFP o governo do estado do Rio.

Beltrame estava há dez anos no cargo, um período no qual desenvolveu o projeto das UPPs, delegacias de polícia comunitárias instaladas em várias comunidades do Rio, para arrebatar o controle aos traficantes.

O programa foi instalado para melhorar a segurança nestas regiões vulneráveis às vésperas da Copa do Mundo de futebol de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

Segundo a imprensa, Beltrame pretendia deixar o cargo desde o fim de 2014.

Sua renúncia ocorre um dia depois de novos confrontos registrados entre policiais e traficantes no morro Pavão-Pavãozinho, entre Copacabana e Ipanema, na zona sul da cidade.

O episódio causou pânico entre os moradores e comerciantes da região e deixou três criminosos mortos e cinco pessoas feridas, três delas policiais.

A segurança pública no estado do Rio sofreu um corte orçamentário de 30% este ano.

Nos preparativos para os megaeventos esportivos dos últimos anos, o governo investiu desde 2008 na instalação de UPPs em 264 comunidades, onde vivem um milhão e meio de pessoas.

Cerca de dez mil homens foram mobilizados nestes territórios, mas os traficantes buscam constantemente retomar o controle em algumas comunidades.

Desde 2008, Beltrame insistia com frequência na importância de implementar a segunda fase do programa das UPPs, que previa a instalação de serviços sociais (como creches, escolas e centros de saúde) nas comunidades "pacificadas". A repressão, única e exclusivamente, não seria suficiente a longo prazo, dizia o secretário.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

AFP