Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Opinião Está na hora de banir os jatinhos particulares

jato prestes a decolar
(Keystone / Martin Ruetschi)

Nenhuma medida imediata, e que incomoda tão poucas pessoas, pode contribuir tanto na redução das emissões de gases de efeito estufa como proibir jatos particulares, argumenta Mario Huber.

Conteúdo externo

Banner do dossiê 'Opinião'

Durante muito tempo, os jatos particulares foram vistos apenas como um símbolo de status de riqueza e sucesso. Ultimamente, porém, histórias que destacam seu impacto ambiental também apareceram e com razão. Nada queima tanto combustível fóssil pelo uso exclusivo de um punhado de pessoas, poluindo o ar e contribuindo para as mudanças climáticas. Por que a sociedade ainda lhes permite existir, apesar de sua utilidade questionável?

As proibições são impopulares. No entanto, o Partido Trabalhista do Reino Unido prometeuLink externo considerar a proibição de jatos particulares movidos a combustíveis fósseis até 2025. O anúncio chegou no início de novembro passado, quando a campanha eleitoral para as eleições gerais do Reino Unido em 12 de dezembro estava apenas começando. Duas semanas depois, o capítulo suíço do grupo de ativistas ambientais Extinction Rebellion bloqueouLink externo o terminal de jatos particulares do aeroporto de Genebra, denunciando os jatos particulares como um meio de transporte absurdo. No mesmo dia, a seção de jovens do Partido Verde Suíço decidiu por unanimidadeLink externo incluir a proibição de jatos particulares em sua plataforma.

Mario Leandros Huber é formado em matemática, ciências sociais e economia, e trabalhou para o governo suíço e ONGs. 

Ele é o idealizador da iniciativa BanPrivateJets.org, que tem por objetivo discutir como reduzir o transporte aéreo de maneira socialmente aceitável. 

(Courtesy)

Menos emissões 

Os aviões emitemLink externo dióxido de carbono, óxidos de nitrogênio e vapor de água a grandes altitudes, aumentando assim o efeito estufa responsável pelas mudanças climáticas. Certamente, a aviação causa uma pequena parcela das emissões globais de efeito estufa - embora seja subestimada rotineiramente por números que consideram apenas dióxido de carbono - e os jatos particulares representam apenas uma fração do total da aviação. No entanto, as 20 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono emitidas por jatos particulares em 2015 - cerca de 0,1% do total global e em ascensão - junto com todas as outras substâncias que triplicam o impacto climático dos vôos, não são desprezíveis.

Viajar de jato particular emiteLink externo até 10 vezes mais dióxido de carbono do que um "ônibus voador" e 150 vezes mais do que trens de alta velocidade. Assim, aterrá-los e fazer com que os passageiros mudassem para a aviação comercial seriam medidas óbvias para reduzir as emissões. Além disso, com menos conforto e facilidade de acesso a um avião, os ex-usuários de jatos particulares provavelmente voariam com menos frequência. De fato, dissuasões não monetáriasLink externo são mais eficazes quando se trata de super-ricos do que sanções fixas. 

Para a elite 

Mas o mais importante é que, ao contrário de alimentos e aquecimento, ninguém realmente precisa de jatos particulares. Apenas uma pequena fração da elite global pode usá-los. A parcela da humanidade que desfruta deles é duas ordens de magnitude menor que a parcela das emissões correspondentes.

Mesmo este pequeno grupo enfrenta consequências materiais limitadas. De fato, jatos particulares oferecem flexibilidade de agendamento, mais privacidade e a possibilidade de evitar alguns aeroportos lotados usados ​​por pessoas menos abastadas. Mas uma proibição não reduziria substancialmente a mobilidade. Ao contrário da mudança para viagens terrestres ou marítimas, optar por voar de primeira classe em um avião comercial não aumenta enormemente o tempo de viagem.

Os usuários de jatos particulares são aqueles que mais voam e provavelmente lucram com o crescimento econômico global do passado, que é responsável pelas mudanças climáticas. Portanto, não é apenas uma questão de praticidade, mas também de ética e justiça climática exigir que eles façam sacrifícios maiores para mitigar as mudanças climáticas do que pessoas com menos recursos.

Dando o recado 

Por fim, a mensagem que um banimento de jatos particulares envia teria efeitos de maior alcance do que suas consequências imediatas. Décadas se passaram sem medidas realmente significativas de mitigação das mudanças climáticas. As greves climáticas de 2019 deram impulso à questão; no entanto, muitas pessoas - dentro e fora da política ou da ciência - ainda não estão cientes da gravidade das mudanças climáticasLink externo. A mídia de massa pode continuar publicando previsões catastróficas baseadas na ciência de ponta e isso não mudaria. Ações concretas impressionam as pessoas mais do que explicações ou declarações de intenção.

A proibição mostraria que mesmo as pessoas mais poderosas e ricas são forçadas a se unir aos outros para mitigar as mudanças climáticas. A proibição seria uma prova instantânea da importância primordial de tomar ações rápidas e concretas sobre combustíveis fósseis. Isso tornaria as políticas climáticas de alcance mais amplo mais legítimas e socialmente aceitáveis.

Implementando uma proibição

Como sempre, o governo precisaria elaborar os detalhes, como a distinção entre aeronaves não comerciais que prestam serviços de interesse público e jatos de luxo. Um pequeno número de empregos também depende de jatos particulares, mas isso não deve ser motivo de grande preocupação, porque a ação climática significa que muitos ramos industriais desaparecerão à medida que novos negócios sustentáveis ​​aparecerem. Os governos precisam de políticas para lidar com os trabalhadores apanhados nessas transições de qualquer maneira. Além disso, esses trabalhadores geralmente são altamente qualificados e podem facilmente permanecer na aviação ou mudar para outros ramos tecnicamente exigentes.

Sendo assim, e agora? A peculiaridade de proibir jatos particulares é que a medida parece radical mas ela é apenas racional. O caminho a seguir é conversar com conhecidos, políticos locais ou outros tomadores de decisão sobre a ação climática e por que é hora de proibir jatos particulares.

As opiniões expressas neste artigo são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões da swissinfo.ch.


swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.