Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suicídio assistido Médicos defendem ampliação do ‘direito de morrer'

Paciente em hospital segurando uma rosa

Cada vez mais suíços optam por terminar suas vidas por meio do suicídio assistido.

(Keystone)

A Academia Suíça de Ciências Médicas pronunciou-se a favor da extensão do suicídio médico-assistido a pessoas que vivem com dor intolerável.

A academia propôs que os médicos possam ajudar os pacientes que sofrem de dor insuportável provocada por doença, mesmo que esta não seja terminal, informou o jornal suíço Le Matin Dimanche no domingo.

Em contrapartida, a Associação dos Médicos Suíços (ASD) rejeita a ampliação do alcance do suicídio assistido por médicos. Tal medida entraria em contradição com o objetivo original de ajudar as pessoas que sofrem de uma doença incurável e terminal, declarou a ASD ao jornal de língua francesa.

Nos últimos anos, o número de suíços que buscam serviços de suicídio assistido de organizações privadas como a Exit ou a Dignitas continuou a crescer de forma constante. A maioria dos suíços é a favor de poder escolher quando e como acabar com suas vidas, e inclusive apoiam a eutanásia ativa direta, uma prática atualmente proibida no país.


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.