Navigation

"Somos artesãos dos sonhos"

Os charutos de Gérard são elaborados na República Dominicana com tabaco da América Central. Vahé Gérard

Há quatro décadas, a loja "Gérard Père & Fils" em Genebra, vende charutos cubanos. Ela é considerada uma instituição no universo dos puros, freqüentado por apaixonados e personalidades.

Este conteúdo foi publicado em 07. janeiro 2006 - 11:37

O negócio familiar é dirigido hoje por Vahé Gérard, que recebeu em fevereiro de 2005 o prêmio "Hombre Habano del Año", considerado o "Oscar" dos charutos.

Genebra é hoje considerada uma das mecas do puro. Isso graças à capacidade visionária e o trabalho incansável de duas pessoas que, com sua paixão e interesse, marcaram o mundo dos charutos no século XX convertendo-o num pujante negócio.

A cidade localizada às margens do lago Léman é o berço do império Davidoff, uma das marcas de charutos mais apreciados no mundo, fruto do trabalho de toda uma vida de que passou para os anais da história como o "rei dos puros".

Nascido em Kiev, na Ucrânia, Zino Davidoff emigrou (1911) ainda criança para Genebra, onde seu pai abriu uma tabacaria cuja fama chegaria a transcender as fronteiras suíças. Anos mais tarde, o próprio Zino tomaria as rédeas do negócio.

No anos 80, antes de Zino Davidoff ter deixado de fabricar em Cuba os puros que levam seu nome para transferir a produção à República Dominicana, outro personagem criava as bases de um estabelecimento que hoje goza de prestígio mundial: a loja "Gérard Père & Fils".

Templo do charuto

Seu fundador, Gérard, de origem armênia e considerado como um dos tabaqueiros mais conhecidos e respeitados do século XX, converteu seu pequeno negócio, situado no número 19 da rua Quai du Mont-Blanc, num autêntico templo do charuto cubano.

A loja da Gérard Père & Fils no hotel Noga Hilton, em Genebra, foi a primeira loja no mundo especializada exclusivamente nos puros premium, os charutos cubanos confeccionados a mão.

Na frente do negócio familiar está hoje o filho e herdeiro de Gérard, Vahé Gérard, premiado com o "Oscar" dos puros, na categoria de detalhista, no VII Festival del Habano, o evento mais importante do mundo no setor de charutos cubanos.

- O mundo dos puros foi construído graças ao trabalho de homem como Davidoff e meu pai, que souberam transmitir um prazer e comunicar muito bem a paixão que tinham. Agora nossa tarefa é conservar esse jardim - explica à swissinfo o especialista.

- Hoje temos clientes de todas as partes do mundo que vêm comprar seus puros em Genebra, uma liderança que é invejada por muitas capitais no mundo e que não estamos dispostos a ceder. Para isso temos de nos esforçar para fazer bem o nosso trabalho e ter uma linha de conduta impecável e respeitosa em relação ao produto.

Além de vender charutos cubanos, Gérard Père & Fils desenvolveu uma linha de puros, elaborados na República Dominicana e que levam o nome da casa. A clientela do prestigioso estabelecimento genebrino é uma das mais seletas e internacionais das marcas de prestígio nessa cidade suíça.

Xeques árabes, diplomatas, políticos, estrelas de cinema e de espetáculo, intelectuais e personalidades como o rei Juan Carlos de España são alguns deles. "No comment", responde o patrão ao ser perguntado por mais nomes. Afinal, o segredo é a alma do negócio.

Assim mesmo a casa Gérard recebe a cada ano os integrantes do Clube de Parlamentares Fumantes de Puros e os da Assembléia Francesa de Amantes dos Charutos, que organizam uma das reuniões mais interessantes da Europa em torno do charuto cubano.

Serviço para o cliente

Longe de se confortar na sombra de um pai legendário, Vahé Gérard demonstrou ser um digno sucessor dessa estirpe de vendedores especializados.

- Creio que cada geração, e não estou me referindo apenas a minha família, tem que contribuir com uma pedra no edifício. Não é possível de se apoiar apenas na base já criada pelas gerações precedentes.

Desde o início ele se entregou de corpo e alma à vocação que herdou de seu pai, o amor aos puros. Uma das "pedras" trazidas ao negócio familiar é o "Private Cigar Banking", uma espécie de caixa-forte destinada à conservar em perfeitas condições de temperatura e umidade os melhores charutos da clientela selecionada.

- Temos alguns clientes que preferem deixar guardados aqui seus puros durante quatro ou dez anos antes de fumá-los. Eles gostam de um tipo específico de tabaco, um tabaco que tem um aroma de "vintage", um termo utilizado na enologia para denominar o ano de colheita de um vinho. No caso do charuto, seria o ano que o tabaco foi recolhido. Ele seria mais redondo, doce, com sabores diferentes. Essa é a razão para esse banco - explica Vahé Gérard.

Diariamente os empregados controlam caixa por caixa com o máximo de cuidado.

- É para evitar que o tabaco receba muita umidade ou tenha outros problemas. Na realidade é mais fácil guardar vinho em casa do que os puros. Os puros são mais frágeis do que os vinhos - filosofa.

Através de sua página na Internet (www.gerard.ch), o cliente pode ter acesso ao seu cofre pessoal e verificar quantos puros ainda tem, quantos comprou e quais são aqueles que já estão no ponto para serem fumados.

São, no total, 750 cofres, distribuídos em alguns metros quadrados. O serviço é gratuito.

- Não quero que meus clientes paguem por isso. Essa é uma oferta da nossa empresa. Na Gérard Père & Fils o cliente é rei. Se nos limitarmos simplesmente a vender charutos, creio que não estaríamos fazendo o trabalho como é preciso - reforça o proprietário.

Artesão dos sonhos

- Não sou escritor profissional. Porém já lancei três livros que foram muito bem vendidos no mundo inteiro. O primeiro foi quando eu tinha apenas 21 anos: o "Guia do fumante de charutos cubanos", um clássico na bibliografia dos puros cubanos. Depois vieram "O universo do charuto cubano", e "O Charuto". Através desses livros ele acredita que conseguiu mostrar uma visão diferente da profissão.

Para a família, seus membros não são apenas vendedores, mas sim "embaixadores" a serviço de um rito ancestral, de um produto artesanal trazido um dia por Cristovão Colombo para a Europa. Sua missão consiste em assessorar as pessoas que buscam num bom puro o maior dos deleites. Eles querem comprovar se o tabaco, "como já dizia Victor Hugo, é a planta que converte os pensamentos em sonhos".

Num mundo cada vez mais complexo, onde as coisas não são fáceis do ponto de vista econômico e social, o indivíduo precisa de momentos de evasão para esquecer seus problemas cotidianos, as pressões, suas angústias. Para muitas pessoas, uma forma de encontrar esse equilíbrio é fumar um bom puro num ambiente de calma e sossego.

- As pessoas vêm a nossa loja para sonhar com um produto que lhes proporcione prazer e que desfrutam da mesma maneira como uma boa peça de teatro ou um concerto. Se a obra é boa, se o concerto é de qualidade, é mais fácil se desconectar da realidade e entregar-se ao prazer que lhes proporciona o momento - afirma Vahé Gérard.

- Por isso digo que somos os artesãos do sonho. Não estamos aqui para vender algo, senão para fazer sonhar - conclui esse discípulo da filosofia de Epicuro. Aqui está o êxito de Gérard Père & Fils. Nos seus quarenta anos de funcionamento desde sua fundação, a loja é uma referência única para os amantes dos puros cubanos, os melhores do mundo, que José Martí, o revolucionário da América Latina, definiu como "o deleite dos sonhadores".

swissinfo, Belén Couceiro

Fatos

Fundada nos anos 60, a "Gérard Père & Fils" é uma loja especializada na venda de charutos cubanos finos.
Ela oferece trinta marcas dos puros mais conhecidos do mundo e também desenvolveu seu próprio produto, que leva o nome da casa.
Seu atual proprietário, Vahé Gerard, recebeu em 2004 o prêmio "Hombre Habano 2004", na categoria de retalhista.
O suíço também é considerado um dos maiores conhecedores do puro e é autor de três livros sobre o tema: "Guia do fumante de charutos cubanos", "O universo do charuto cubano", e "O Charuto".

End of insertion

Breves

A denominação de origem "Habano" é dada apenas aos charutos elaborados exclusivamente com o tabaco cultivado em Cuba. Eles também são conhecidos como "puros".

A ilha exporta anualmente 150 milhões de unidades, sendo que as melhores provêm da região de Vuelta Abajo.

A empresa Habanos S.A é líder mundial na comercialização dos puros "premium", os charutos enrolados à mão, dos quais a empresa distribui 34 marcas.

Cohiba, Partagás, Trinidad, Romeo y Julieta, Montecristo e Hoyo de Monterrey são algumas das marcas de charuto de maior prestígio no mundo.

Espanha, França, Reino Unido, Suíça e Alemanha são os principais mercados para os charutos cubanos.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo