Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

2010: mulheres com as mãos nas rédeas

Quatro mulheres governando o país: Micheline Calmy-Rey, Simonetta Sommaruga, Doris Leuthard e Eveline Widmer-Schlumpf.

(EQ Images)

Duas novas Conselheiras Federais, uma nova votação sobre os estrangeiros - que tem gerado interesse e crítica no exterior - e as decisões do parlamento sobre o caso UBS-EUA.

Estes foram os mais importantes acontecimentos políticos em 2010 na Suíça, que permanece na memória como o ano das mulheres.











Demorou quase quarenta anos desde a introdução do sufrágio feminino, em 1971, mas agora está feito: 2010 foi o momento das mulheres no comando do governo e do parlamento suíço.

O ano já abriu com um trio histórico do sexo feminino. Pela primeira vez três mulheres ocupam, ao mesmo tempo, os mais altos cargos na política nacional: Doris Leuthard na presidência da Confederação, Pascale Bruderer na Câmara dos Deputados e Erika Foster-Vannini no Senado.

Não é tudo: uma outra data para a história, 22 de setembro, quando o Parlamento teve que escolher dois novos ministros para substituir Moritz Leuenberger e Hans-Rudolf Merz. A socialista Simonetta Sommaruga foi eleita ao Conselho Federal, juntamente com o liberal radical Johann Schneider-Ammann. Pela primeira vez, o executivo da Suíça é formado por uma maioria de mulheres: quatro mulheres e três homens.

Competência e diálogo

É claro, a política do país ainda é dominada pelos homens: as mulheres ocupam apenas 28,5% das cadeiras da Câmara e 21,7% do Senado. As representantes do sexo feminino também são minoritárias nas assembleias e governos cantonais.

22 de setembro, no entanto, é uma data de grande importância simbólica que demonstra os progressos consideráveis realizados a nível federal, no sentido da igualdade de gênero. Se a Suíça foi um dos “lanternas” na concessão de direitos políticos às mulheres, hoje é um dos poucos países do mundo com uma maioria de mulheres no executivo.

Com a eleição de dois representantes do cantão de Berna, Simonetta Sommaruga e Johann Schneider-Ammann, o parlamento também mostrou ter eliminado definitivamente as tradicionais reservas contra a dupla representação de um cantão no governo federal. Os parlamentares preferiram a competência e a capacidade de diálogo dos dois recém-eleitos. Qualidades que devem permitir restabelecer a credibilidade e a solidez do Conselho Federal, que, nos últimos anos, vem sido acusado de falhar em termos de comunicação interna e coesão. 

Voto controverso

Segundo vários observadores, a composição atual do governo provavelmente não sobrevive além da próxima eleição federal de23 de outubro. A mais ameaçada é a vaga da representante do Partido Burguês Democrata, Eveline Widmer-Schlumpf, pelo seu antigo partido, a União Democrática do Centro (UDC/SVP).

A UDC foi novamente a primeira a lançar sua campanha eleitoral, poucos dias após o sucesso inesperado na votação federal de 28 de novembro. A maioria dos eleitores preferiu, de fato, a iniciativa popular da UDC "para a expulsão de estrangeiros que cometam crimes" ao contraprojeto do governo, apoiado por quase todos os outros partidos.

Como no caso da iniciativa contra a construção de minaretes, aprovada pelo povo em novembro de 2009, o resultado do plebiscito de 28 de novembro também suscitou numerosos comentários, inclusive no estrangeiro. Para algumas pessoas, a Suíça mostrou coragem em resolver um problema ressentido em muitos outros países. Para outros, a votação reflete um entrincheiramento identitário ditado pelo medo. Após o povo ter aceitado duas propostas antiestrangeiros no espaço de um ano, resta saber se a xenofobia não é uma ameaça ao modelo de democracia direta na Suíça.

Do lado social, 2010 começou com o sucesso do voto sobre os fundos de pensões profissionais e termina com duas derrotas para a esquerda, que não conseguiu formar um consenso popular para impedir os cortes no seguro desemprego, nem limitar a concorrência fiscal entre os cantões.

Derrota da esquerda

A esquerda também foi incapaz de alavancar a indignação popular despertada pela crise no setor financeiro para obter do Parlamento uma regulamentação mais rigorosa contra os grandes bancos e os bilhões de bônus pagos aos seus gestores.

Apesar da oposição dos socialistas e dos ecologistas, a maioria burguesa do parlamento acabou aprovando o acordo entre o banco UBS e os EUA. Com a conclusão deste acordo, o governo suíço se compromete em fornecer à Washington os dados de milhares de titulares de contas do UBS que sonegaram o fisco americano com a ajuda do banco suíço.

2010 também foi um ano de frustrações para o legislativo, que não conseguiu chegar a um acordo em duas questões que perduram há quase uma década: a décima revisão da previdência (AVS) e as medidas destinadas a reduzir o aumento das mensalidades do seguro de saúde.

Governo suíço

Em 22 de setembro a Assembleia Federal elegeu a socialista SimonettaSommaruga e o liberal radical JohannSchneider-Ammann à sucessão de Moritz Leuenberger e Hans-Rudolf Merz.

Pela primeira vez na história, o governo suíço é assim constituído por uma maioria de mulheres:

Micheline CalmyRey e SimonettaSommaruga (Partido Socialista), DorisLeuthard (Partido Democrata Cristão), EvelineWidmer-Schlumpf (Partido Burguês Democrático), Ueli Maurer (União Democrática do Centro), Johann Schneider Ammann e Didier Burkhalter (Partido Liberal Radical).

Aqui termina o infobox

Plebiscitos

 7 de março de 2010

Mudificação da lei sobre a previdência profissional: 72,7% não.

Iniciativa para uma melhor proteção jurídica dos animais: 70,5% não.

Artigo constitucional sobre pesquisas em seres humanos: 77,3% sim.

26 de setembro

Reforma do seguro desemprego: 53,4% sim.

28 de novembro

 

Iniciativa para a expulsão de estrangeiros criminosos: 52,9% sim.

Contraprojeto a esta iniciativa: 54,2% não.

Iniciativa para impostos justos e contra concorrência fiscal entre os cantões: 58,5% não.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.