Navigation

África do Sul reforça restrições contra a covid-19

Vacinação de pessoal de saúde contra a covid em 19 de maio de 2021 em uma casa de repouso perto de Klerksdorp, na África do Sul afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. maio 2021 - 21:28
(AFP)

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou neste domingo (30) uma reimposição das medidas mais estritas contra a covid-19, diante da ameaça de uma terceira onda no país.

Quatro das nove províncias sul-africanas, inclusive a de Gauteng, onde estão Johannesburgo e a capital, Pretória, já estão sendo atingidas pela terceira onda da pandemia, afirmou o chefe de Estado em um discurso transmitido pela TV.

"É só uma questão de tempo para o país, em seu conjunto, entrar em uma terceira onda", advertiu.

A África do Sul é oficialmente o país mais afetado pela covid-19 do continente, com 1,65 milhão de casos registrados e 56.363 óbitos. "O número de testes positivos para a covid-19 foi mais que o dobro no mês passado do que no anterior", destacou Ramaphosa.

Assim, a partir da segunda-feira, o toque de recolher, atualmente em vigor entre a 00H00 e as 04H00 começará às 23H00. Os comércios considerados não essenciais, como bares, restaurantes e academias de ginástica, terão que fechar às 22H00. As reuniões, incluindo as cerimônias religiosas e comícios políticos, serão limitadas a 250 pessoas em áreas externas e a 100 em internas.

Por enquanto, a África do Sul vacinou pouco mais de 1% da sua população e sua campanha de imunização de idosos não tinha começado até a semana passada.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?