Navigation

Órgão eleitoral da Bolívia promete escrutínio rápido e transparente

Ficha da Bolívia. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. outubro 2020 - 21:42
(AFP)

O chefe do Supremo Tribunal Eleitoral (STE) da Bolívia, Salvador Romero, prometeu nesta quinta-feira (15) "seriedade técnica, imparcialidade política e transparência" na contagem dos votos neste domingo, em contraste com as eleições anuladas de 2019.

“Vamos ter um dia de eleições limpo, seguro e confiável” e o resultado oficial será “um verdadeiro reflexo da vontade popular expressa nas urnas”, afirmou o chefe do STE.

Romero foi nomeado chefe do TSE após as eleições de 20 de outubro de 2019, nas quais os opositores do então presidente Evo Morales denunciaram uma "fraude" para permitir sua reeleição. Após três semanas de protestos nas ruas, o presidente esquerdista renunciou e foi para o exílio.

O processo eleitoral atual é "o mais complexo da história política da Bolívia", não só pelo fato de ocorrer em meio à pandemia do coronavírus, que obrigou a adiar a votação três vezes, mas porque foi convocado em meio a um clima polarizado, afirmou Romero em coletiva de imprensa.

Romero explicou que o STE teve que "adaptar o dia da votação às demandas e desafios do coronavírus", e agora "estamos com tudo pronto, com tudo preparado, para caminharmos para um dia eleitoral limpo e transparente".

O STE garante "seriedade técnica, imparcialidade política e transparência" e contará com um sistema de dupla contagem de votos: um rápido para fins informativos e outro para resultados oficiais, mais lento.

O sistema mais ágil começará a transmitir informações uma hora após o fechamento dos centros de votação “e os cidadãos saberão quase simultaneamente com o Tribunal Eleitoral os resultados eleitorais que estão chegando e sendo processados”, explicou Romero.

Na noite das eleições de 2019, o sistema de contagem rápida de votos estava paralisado e, quando foi retomado um dia depois, houve um aumento considerável na liderança de Morales. A missão da OEA expressou então sua preocupação com esse salto, que descreveu como "drástico" e "difícil de explicar".

A oposição denunciou uma "fraude". Após três semanas de protestos nas ruas, Morales renunciou e foi para o exílio. A direitista Jeanine Áñez assumiu como presidente de transição e as eleições foram canceladas e remarcadas para 2020.

"É algo gravíssimo para qualquer país, para qualquer sistema democrático" que as eleições sejam anuladas, disse Romero, mas agora "os sistemas informáticos foram renovados, os sistemas foram auditados (...), todas estas informações vai ser de conhecimento público".

Destacou que quatro missões internacionais de observação farão a supervisão das eleições: União Europeia, Organização dos Estados Americanos, Carter Center e União Interamericana de Organizações Eleitorais.

Romero sugeriu ainda que o TSE não terá problemas em aceitar que a ex-presidente argentina e atual vice-presidente Cristina Kirchner, aliada de Evo Morales, viaje à Bolívia para observar as eleições.

"Nenhum pedido de observação do processo eleitoral boliviano foi rejeitado", embora "até o momento nenhum pedido de credenciamento tenha sido recebido da ex-presidente da Argentina", disse ele ao responder a uma pergunta.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.