Navigation

Advogado de cristã sudanesa pedirá anulação de acusações

O advogado da cristã sudanesa ameaçada de morte e refugiada na embaixada dos Estados Unidos em Cartum informou que pedirá a anulação das acusações por uso de documentação falsa contra a cliente, para que ela possa deixar o país afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. junho 2014 - 14:22
(AFP)

O advogado da cristã sudanesa ameaçada de morte e refugiada na embaixada dos Estados Unidos em Cartum informou que pedirá a anulação das acusações por uso de documentação falsa contra a cliente, para que ela possa deixar o país.

"Apresentaremos no domingo ao promotor um pedido de anulação das acusações", disse à AFP Mohannad Mustafa.

"Se a resposta for positiva, ela poderá abandonar o país ao lado do marido e dos dois filhos, também refugiados na embaixada".

Meriam Yahia Ibrahim Ishag, 26 anos, se refugiou na representação diplomática depois de ter sido detida, condenada à morte, liberada durante a semana, detida novamente quando tentava sair do país, acusada de utilizar documentos falsos e libertada na quinta-feira.

A justiça sudanesa havia condenado Meriam Yahia Ibrahim Ishag à pena de morte por apostasia, em virtude da interpretação sudanesa da sharia (lei islâmica), vigente no país desde 1983, que proíbe as conversões.

As autoridades a acusam de apresentar documentação falsa e usar informações falsas para sair do país.

O governo dos Estados Unidos afirmou que está em contato com o ministério sudanês das Relações Exteriores para que a mulher e sua família possa viajar ao país. Seu marido, Daniel Wani, tem dupla cidadania, americana e sul-sudanesa.

"Ishag tem todos os documentos de viagem necessários para viajar aos Estados Unidos no momento em que o governo sudanês a autorizar a deixar o país", afirmou à AFP Will Stevens, porta-voz do setor de assuntos africanos do Departamento de Estado americano.

Segundo a diocese católica de Cartum, a jovem se converteu ao catolicismo antes de casar com Wani no fim de 2011.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.