Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Abdel Fattah Al-Sissi, presidente egípcio, fala à imprensa em 27 de junho de 2014

(afp_tickers)

O presidente egípcio, Abdel Fatah al Sissi, preferiria deportar os três jornalistas da Al Jazeera condenados à prisão antes da celebração de um julgamento contra eles, noticiou um jornal neste domingo.

Um tribunal egípcio condenou, em 23 de junho, a penas de sete a dez anos de prisão, os três jornalistas - o egípcio-canadense Mohamed Fadel Fahmy, seu colega australiano, Peter Greste, e o egípcio Baher Mohamed - por apoiar o movimento da Irmandade Muçulmana do presidente deposto Mohamed Mursi.

Esta condenação teve "um efeito muito negativo" e o governo "não teve nada a ver", declarou Sissi durante mesa redonda com chefes de redação, segundo declarações publicadas no jornal Al Masri al Yum.

"Teria preferido sua deportação após a detenção a um julgamento", acrescentou, sem explicar como Fahmy e Mohamed, que possuem nacionalidade egípcia, poderiam ter sido expulsos do Egito.

Este veredicto provocou reações internacionais, como a dos Estados Unidos, que qualificaram a sentença de "arrepiante e draconiana" e pediu ao governo a comutar estas penas para poder libertar os jornalistas.

Diante destas reações, Sissi tinha dito, então, que as autoridades não deviam se envolver em assuntos judiciais.

AFP