Navigation

Alemanha lançará estudo sobre imunidade ao novo coronavírus

Uma nota diz: "Cuide-se, mantenha-se saudável. As próximas férias vão chegar com certeza" no vidro de uma agência de viagens fechada em Berlim, em 27 de março de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. março 2020 - 13:41
(AFP)

A Alemanha vai lançar um estudo com mais de 100.000 pessoas para determinar se elas estão imunizadas contra o novo coronavírus, e, assim, avaliar a propagação do vírus, disse uma porta-voz do principal instituto envolvido.

Susanne Thiele, do Centro Helmoltz de Pesquisa de Doenças Infecciosas de Brunswick (norte), confirmou as informações divulgadas pelo Der Spiegel de que o estudo, que deve começar em abril, será baseado em amostras de sangue coletadas em intervalos regulares de mais 100.000 pessoas.

Os pesquisadores analisarão se produzem anticorpos contra a Covid-19, prova de que contraíram a doença e depois se restabeleceram.

"Um tipo de carnê de vacinação para pessoas imunizadas poderia ser estabelecido, o que lhes permitiria retomar suas atividades, apesar das restrições ainda em vigor", explicou Gérard Krause, chefe do serviço de epidemiologia no centro Helmoltz.

Assim, os cientistas querem determinar a magnitude da pandemia na Alemanha e quantas pessoas infectadas morrem com o vírus.

Os resultados do estudo, cujo lançamento ainda não foi definitivamente aprovado, poderiam facilitar a tomada de decisões sobre a reabertura de escolas ou a autorização de grandes eventos.

No entanto, os primeiros resultados podem não ser totalmente conclusivos, pois 90% dos adultos já estão imunizados contra vírus menos perigosos que pertencem à mesma família.

"Os pesquisadores esperam que um teste mais preciso esteja disponível em dois a três meses", disse Der Spiegel.

A Alemanha, com mais de 42.000 casos da Covid-19, adotou medidas de confinamento para tentar impedir a propagação do vírus, fechando escolas, lojas - exceto supermercados -, além de restaurantes e bares.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.