Navigation

Amazonas restringe mobilidade e comércio para lidar com segunda onda da pandemia

Homem segura cilindro de oxigênio em Manaus, Amazonas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. janeiro 2021 - 22:14
(AFP)

O Amazonas anunciou neste sábado (23) que só permitirá a circulação de pessoas e o funcionamento do comércio para atividades essenciais, na tentativa de conter o forte aumento de casos e mortes decorrentes da segunda onda da pandemia.

Após reunião das autoridades, “ficou definida a ampliação para 24 horas do período de restrição de circulação de pessoas no estado, durante sete dias, a partir de 25 de janeiro”, informou o governo em nota.

“Essa é uma medida para que a gente possa diminuir aglomerações e consequentemente quebrar essa cadeia de transmissão do vírus”, explicou o governador, Wilson Lima, citado na nota.

Durante o período de restrição, que o governador se recusou a chamar de quarentena, apenas mercados e supermercados, padarias, farmácias, postos de gasolina e "serviços essenciais" de saúde e segurança poderão funcionar.

Apenas uma pessoa de cada núcleo familiar poderá ingressar nos estabelecimentos abertos e as indústrias poderão operar em turnos de 12 horas, exceto aquelas que produzem alimentos ou produtos farmacêuticos ou hospitalares, conforme determina o decreto, que será publicado no domingo.

Além disso, a medida estabelece fechamentos para comércio e transporte de cargas. Somente produtos de higiene, limpeza, alimentos e remédios podem ser comercializados nas dependências que possuem autorização de funcionamento, e somente serão autorizadas cargas de mercadorias consideradas essenciais.

A falta de unidades de terapia intensiva disponíveis e de oxigênio colocaram em alerta o Amazonas e sua capital, Manaus, que na quinta-feira também teve que suspender a campanha de vacinação contra a covid-19 por um dia após denúncias de fraude na administração de doses a pessoas de grupos não prioritários.

O Amazonas, com mais de 245.000 casos e quase 6.900 óbitos, tem a maior proporção de óbitos (166/100.000 habitantes) dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal.

A nível nacional, o Brasil registra mais de 215.000 mortes por covid-19, com uma média de 102 mortes por 100.000 habitantes.

A virulência da segunda onda da pandemia no Amazonas pode ser decorrente de uma variante do vírus, mais contagiosa, que surgiu na região.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?