Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Polícia da Uganda patrulha rua de Campala, em 21 de julho de 2010.

(afp_tickers)

A embaixada dos Estados Unidos em Uganda advertiu para a ameaça específica de ataque terrorista na noite desta quinta-feira no aeroporto internacional de Campala, a capital do país.

A embaixada "foi informada pela polícia ugandesa de que, segundo fontes dos serviços de inteligência, haveria uma ameaça específica de ataque contra o aeroporto internacional de Entebe pelas mãos de um grupo terrorista desconhecido neste 3 de julho entre as 21h00 e as 23h00 locais (15h00-17h00 de Brasília)", informou a embaixada em seu site.

Nenhum grupo é mencionado na mensagem, mas os islamitas somalis shebab, vinculados à Al-Qaeda, reivindicaram atentados recentes, sobretudo no Quênia e em Djibuti.

A embaixada dos Estados Unidos, que também lembra "a ameaça contínua de potenciais ataques terroristas no país", aconselha as pessoas que planejam viajar nesta quinta-feira ao aeroporto que mudem seus planos.

O exército e a polícia reforçaram nesta quinta-feira sua presença em Kampala e seus arredores e as autoridades confirmaram a ameaça, embora tentem tranquilizar a população.

"Sim, recebemos esta informação sobre uma ameaça e estamos respondendo a ela", declarou à AFP o porta-voz governamental, Ofwono Opondo.

A mobilização de tropas "responde a esta ameaça, mas não acreditamos que algo vá acontecer", insistiu.

"O nível de alerta sobre o terrorismo em Uganda é alto há mais ou menos um ano", disse, lamentando que os Estados Unidos tenham se mostrado muito reativos em sua advertência aos viajantes.

"A população deve permanecer alerta e informar sobre qualquer indivíduo suspeito" que veja, afirmou o porta-voz do exército, Pady Ankunda.

Uganda e Quênia figuram, junto com Etiópia e Burundi, entre os principais países que participam da Força Africana mobilizada na Somália (Amisom), onde lutam contra os shebab desde 2007.

AFP