Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada em Brasília em 14 de junho de 2016

(afp_tickers)

Duas amigas de Dilma Rousseff, que lutaram juntas durante o regime militar na década de 1970 no país, lançaram nesta quarta-feira (29) um projeto de "crowdfunding" para financiar a campanha da presidente afastada contra seu impeachment.

Batizada de "Jornada pela Democracia - Todos por Dilma", a iniciativa foi montada na plataforma de financiamento participativo "Catarse.me". Em suas primeiras quatro horas on-line, foram angariados R$ 66.226, em 747 pequenas doações que partem de R$ 10.

O objetivo do projeto é amenizar as restrições financeiras impostas - segundo Dilma - pelo governo interino de Michel Temer, enquanto o Senado julga as denúncias que pesam contra ela por aprovar gastos públicos sem a autorização do Congresso, as chamadas "pedaladas fiscais".

A presidente continua morando no Palácio da Alvorada. Ela afirma que o governo Temer lhe restringiu o uso de aviões oficiais para viagens relacionadas a atos em defesa de seu mandato, assim como o pagamento de diárias em hotéis.

"Achamos que era importante abrir uma conta, onde as pessoas pudessem fazer doações e que houvesse recursos disponíveis para que a presidente pudesse usar para suas viagens", explicou a médica Guiomar Silva Lopez, 72, em um vídeo postado no site, cujo lema é "Financiamento coletivo para todos".

Guiomar dividiu a cela com Dilma, de 68, durante o regime militar, e é uma das cocriadoras da ideia junto com Maria Celeste Martinez, de 74. Elas se conheceram na clandestinidade quando enfrentavam o governo nos anos 1970.

A meta é coletar R$ 500 mil.

Independentemente do valor da contribuição, todos os doadores terão a mesma retribuição: uma menção no site dilma.com.br, uma foto autografada em versão digital e um vídeo de agradecimento.

AFP