Os moradores de Achacachi têm medo. Este município rural no departamento de La Paz, até pouco tempo identificado como reduto de simpatizantes de Evo Morales, tem sido nos últimos meses o epicentro de uma luta sangrenta entre os defensores do ex-presidente indígena e aqueles que o acusam de ser "autoritário".

A sede do governo autônomo municipal, na praça principal da cidade, está abandonada, com várias janelas destruídas. Nenhum reparo foi feito desde que o prefeito Edgar Ramos, ligado a Morales, deixou o município em 2017 em meio a alegações de corrupção.

Além de ficar sem prefeito, Achacachi, situada a 93 km a noroeste de La Paz, deixou de ter meses depois policiamento e promotoria. Desde então, a cidade de casas de tijolos aparentes e ruas de terra batida, onde vivem mais de 46.000 pessoas, é autogovernada por meio de conselhos formados por moradores.

O terror segue desde então. Os habitantes, principalmente indígenas, estão muito conscientes em relação à violência que eclodiu quando pediram ao prefeito um relatório sobre sua gestão.

Achacachi também é o berço dos "Ponchos Vermelhos", a "milícia Aymara" que defende a reconstrução da Bolívia proposta por Morales. Esses homens saíram em defesa do prefeito daquela cidade, localizada no Altiplano dos Andes a mais de 4.000 metros acima do nível do mar.

- "Não queremos que retorne" -

Os violentos confrontos duraram vários dias, com saques, depredações, queima de veículos e casas, incluindo a do prefeito. Por fim, a polícia interveio com o envio de mais de 400 agentes.

"Não queremos que Evo retorne, ele foi muito ruim, causou muitos danos às pessoas. Agora é assustador conversar, muitas coisas aconteceram (...) Houve violência e saques às lojas e ninguém nos ajudou", afirmou uma jovem indígena que não quis informar o nome.

As eleições presidenciais de 20 de outubro na Bolívia, nas quais Morales afirmou ter obtido um quarto mandato em meio a uma onda de alegações de fraude e irregularidades, reviraram a história do país, e em menos de um mês o ex-presidente renunciou e foi para o México, onde denunciou um golpe de estado.

Em seguida, surgiram confrontos com a polícia e saques em várias regiões do país.

De acordo com os primeiros resultados da apuração dos votos de 20 de outubro, Achacachi teria apoiado Evo Morales, mas os moradores negam esse dado.

- "Foi fraude" -

"Isso não é verdade", diz Marta Vega. "Foi uma fraude, não votamos no Evo".

Quando Morales assumiu seu primeiro mandato, seu partido, o MAS, fazia campanha em Achacahi sem nenhuma dificuldade. Mas, muito antes da última eleição, o agora ex-presidente estava perdendo influência neste território.

A eleição de Evo Morales há 14 anos teve uma dado histórico: ele não apenas obteve 54% dos votos, algo que ninguém alcançou desde a restauração democrática de 1982, mas também jurou sua posição como "presidente dos nativos americanos da América" nas ruínas pré-colombianas de Tiwanaku.

"No início pensamos que, como ele era indígena, faria o bem para o nosso povo, mas não foi assim", disse uma mulher enquanto vendia frutas e legumes no mercado da praça da cidade. Ele não informa o nome porque em Achacachi "todos se conhecem".

"Vi muito autoritarismo, muita corrupção nesses anos; e se você dissesse alguma coisa, eles te investigavam ou perseguiam", acrescenta.

- "Evo nos ajudou" -

Agora, as lojas comerciais estão abertas, o banco funciona e os restaurantes oferecem pratos de truta, a estrela de Titicaca, o lago navegável mais alto do mundo, localizado a 3.812 metros acima do nível do mar, que banha esta localidade.

Pamela Ramos, uma estudante de 23 anos, é uma das pessoas que deseja o retorno de Morales volte.

"Evo nos ajudou a adquirir nossas próprias casas, trabalho, ele ajudou os pobres", explica.

Mas Materia Espinoza, uma senhora de 73 anos, diz que as "coisas boas" aconteceram apenas no início.

"Depois teve muita corrupção, muita divisão", afirma.

Ele não sabe em quem votar nas próximas eleições recentemente convocadas pelo governo de transição de Jeanine Áñez. Seja qual for o resultado, ela está feliz por Morales não participar. Ao futuro governo, ela adverte:

"Antes estávamos cegos, trocávamos nossos votos por uma libra de açúcar, mas agora não será assim. Se o governante que vier fizer algo errado, será afastado como fizeram com Evo".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.