Navigation

Apple bloqueia acesso do Fortnite a ferramenta de desenvolvimento de jogos

A Epic Games, criadora do Fortnite, está em uma batalha com a Apple sobre se o controle rígido do titã da tecnologia sobre a App Store - e seu corte de 30% na receita - conta como comportamento monopolista afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. agosto 2020 - 00:29
(AFP)

A Apple anunciou nesta sexta-feira (28) sua decisão de bloquear o acesso do criador do Fortnite às ferramentas necessárias para atualizar seus jogos nos dispositivos móveis da gigante de tecnologia dos Estados Unidos.

A suspensão da Epic Games do programa de desenvolvedores do sistema operacional iOS ocorre dias depois que um tribunal dos EUA rejeitou o pedido do editor de jogos para devolver seu produto Fortnite à App Store da Apple.

A editora "parece ter se colocado nesta situação difícil", disse a juíza Yvonne González Rogers, porque a Epic violou os termos do contrato com a Apple.

"A corte recomendou que a Epic cumpra com as pautas da App Store enquanto seu caso avança", anunciou a Apple.

"A Epic se negou. No lugar, enviam reiteradamente atualizações do Fortnite que estão projetadas para violar as pautas da App Store", acrescentou a empresa californiana.

A exclusão do Fortnite da loja on-line é uma resposta a uma atualização na qual a Epic instalou um sistema para evitar o pagamento de comissões à Apple, que o estúdio qualificou como um "imposto tirânico".

A Epic realizou manobra idêntica na versão para sistemas Android, que também foi penalizada pelo Google, que retirou o jogo de sua Play Store.

"Estamos desapontados por termos que encerrar a conta da Epic Games na App Store. Trabalhamos com sua equipe por vários anos em lançamentos e publicações", disse a Apple à AFP.

A decisão contra a Epic Games ocorre em meio a uma batalha sobre se o rígido controle que a Apple exerce sobre a App Store, onde cobra cerca de 30% da receita dos produtos, é considerado um comportamento monopolista.

A Apple é frequentemente acusada de comportamento monopolista, pois é a única que define os termos da única plataforma utilizada para acessar os usuários dos produtos da marca.

A empresa americana se defende explicando que o percentual, que estaria dentro da média em relação a outras lojas, é usado para proteger os aplicativos e seus usuários de hackers e golpes.

A Epic Games, por sua vez, diz que intervém nesta disputa "por princípios", em nome da liberdade dos desenvolvedores e dos jogadores.

"A Apple quer que a Epic reverta o Fortnite para que use de forma exclusiva pagamentos da Apple", reagiu a Epic em resposta a uma pergunta da AFP. "Por uma questão de princípios, não participaremos desse esquema".

Os jogadores com versões anteriores do Fortnite podem continuar jogando em iPhones e iPads, mas devem recorrer ao sistema de pagamentos da Apple para fazer transações dentro do jogo.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.