Navigation

Apple e Google informam que usuários controlarão dados em ferramenta para covid-19

Ferramenta de Apple e Google permitirá ao usuário saber se cruzou com alguém diagnosticado com covid-19. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. abril 2020 - 04:25
(AFP)

Apple e Google revelaram nesta sexta-feira que os usuários da ferramenta que estão desenvolvendo para monitorar eventuais contatos com infectados pela covid-19 poderão controlar seus dados e que o sistema será desativado ao final da pandemia.

As duas grandes empresas do Silicon Valley apresentaram há duas semanas uma ferramenta inédita que permitirá aos smartphones com o sistema operacional iOS, da Apple, ou Android, do Google, trocar informações através do Bluetooth para que os usuários saibam se cruzaram com uma pessoa diagnosticada com o novo coronavírus.

Esta tecnologia provoca preocupação sobre o respeito à privacidade dos usuários, o que levou Apple e Google a esclarecer nesta sexta-feira alguns detalhes técnicos da ferramenta.

"Cada usuário deverá escolher explicitamente se ativa a ferramenta. Também poderá ser desativada a qualquer momento por ele", escreveram Apple e Google em comunicado conjunto.

"Este sistema não recolhe informação sobre a localização do seu aparelho ou compartilha sua identidade com os demais usuários, sejam de Google ou Apple. O usuário controla todos os dados que deseja compartilhar e a decisão de fazê-lo ou não".

A ferramenta estará disponível no início de maio e as autoridades de saúde terão acesso às informações, mas deverão "respeitar critérios específicos sobre a vida privada, a segurança e o controle de dados".

"Os dados de notificação sobre a exposição" serão "conservados e administrados nos próprios aparelhos" e não nos servidores das autoridades de saúde, destaca o comunicado, acrescentando que a ferramenta será desativada nas regiões já livres da pandemia.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.