Navigation

Ativistas e opositores criticam acordo de migração entre México e EUA

Migrantes hondurenhos deixam o Centro Metropolitano de San Pedro Sula, 300 km ao norte de Tegucigalpa, rumo à fronteira com a Guatemala, em 10 de abril de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. junho 2019 - 16:48
(AFP)

Defensores dos migrantes e políticos da oposição mexicana criticaram, neste sábado (8), o acordo de migração alcançado pelo governo de Andrés Manuel López Obrador com os Estados Unidos, alegando que militarizou a fronteira sul do país.

"Neste acordo, os migrantes servem como moeda de troca. Estão criminalizando o fenômeno migratório. Vão militarizar a fronteira e prender mulheres e meninas", disse Luis Rey Villagrán, ativista que defende os direitos dos migrantes, à AFP.

"É atropelar a soberania nacional", acrescentou.

Na sexta-feira à noite, o México chegou a um pacto com Washington que suspende as tarifas que o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou impor às exportações mexicanas a partir de 10 de junho.

O líder do partido opositor PAN, Marko Cortés, também criticou o posicionamento da Guarda Nacional na fronteira sul.

"Parece que os presidentes usaram o medo de seu povo para chegar a um acordo - México, o (medo) econômico, e os Estados Unidos, o (medo do) migrante, em uma ação judicial, em que o governo mexicano foi forçado a cumprir a implantação de um muro militar no sul", disse ele no Twitter.

Hoje à tarde, López Obrador deve ir à fronteira de Tijuana para celebrar o acordo com os Estados Unidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.