Navigation

Avião que transporta Evo Morales ao México fez escala no Paraguai

Um jogo de Cartel de Evo Morales durante um protesto em frente à Embaixada da Bolívia, segunda-feira, na Cidade do México afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 12. novembro 2019 - 12:54
(AFP)

O avião que transporta o ex-presidente da Bolívia Evo Morales fez uma escala de reabastecimento no aeroporto internacional Silvio Pettirossi de Assunção (Paraguai) antes de seguir para o México.

Um avião Gulfstream G 550 da Força Aérea Méxicana que tem Morales como passageiro decolou às 5h00 locais com destino a Cidade do México, onde o ex-chefe de Estado recebeu asilo político.

Morales é acompanhado por seu filho e pelo ex-vice-presidente Álvaro García.

A aeronave pousou em Assunção 1H35 para o reabastecimento e para estabelecer sua rota, imprescindível para uma viagem de avião, informou o ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo.

O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, revelou na segunda-feira que o presidente paraguaio Mario Abdo Benítez também havia concedido asilo a Morales e muitos especularam que o boliviano viajaria à capital do Paraguai.

Mas as autoridades paraguaias indicaram que o ex-presidente boliviano decidiu aceitar o asilo oferecido pelo presidente do México, Andrés Manuel López Obrador.

Acevedo disse que o avião poderia fazer uma nova escala em Lima antes de seguir para a Cidade do México.

Dois carros-fortes se aproximaram do terminal aéreo, informou uma emissora de TV local.

O ex-governador de Tarija Mario Cossio, exilado em Assunção, escreveu no Twitter "Evo Morales em Assunção: o avião mexicano que o trouxe e curiosamente 2 caminhões da Prosegur transportando dinheiro... coincidência?"

"Que lástima que coloque os pés em um país no qual se respira liberdade e democracia", completou.

"Evo, sua perseguição forçou ao exílio mais de 1.300 oponentes de sua ditadura e você dizia que o asilo era para criminosos confessos: e agora, o que você é?", questionou Cossio.

O presidente do Paraguai, Mario Abdo, fez um apelo na segunda-feira para que a Bolívia consolide o processo democrático com eleições e o respeito da vontade popular.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.