Navigation

Biden apela ao voto latino com promessa de reforma migratória e mobilidade social

O candidato presidencial democrata e ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. agosto 2020 - 13:09
(AFP)

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, apresentou sua proposta para ganhar o voto latino, a principal minoria dos Estados Unidos, prometendo uma ampla reforma migratória, medidas para garantir o acesso ao "sonho americano" e até um museu em Washington, D.C.

"Um quarto de todas as crianças nos Estados Unidos são latinas. O nosso sucesso coletivo depende do sucesso da comunidade latina", afirmou Biden em sua agenda divulgada na terça-feira (4) para os hispânicos, que somam 60 milhões no país e representam mais de 18% da população.

Biden, que busca impedir a reeleição de Donald Trump em 3 de novembro, disse que trabalhará "desde o primeiro dia promovendo as mudanças necessárias para ajudar a comunidade latina a prosperar", em contraste com o que descreveu como "um ataque" constante do presidente republicano "à dignidade latina".

Para isso, garantiu que investirá na mobilidade econômica dos hispânicos e em seu acesso à assistência de saúde e educação de alta qualidade. Também afirmou que combaterá a violência armada, especialmente depois do massacre no ano passado em El Paso, Texas, no qual um homem matou 23 pessoas a tiros. Entre as vítimas, havia nove mexicanos.

As medidas para impulsionar a classe média latina incluem impulsionar a criação e a expansão de pequenas empresas, melhorar o acesso ao crédito e buscar igualidade nos salários, levando-se em consideração que os trabalhadores latinos ganham uma fração do que os brancos não latinos ganham, uma diferença ainda mais acentuada entre as mulheres.

Biden também prometeu que a representação dos hispânicos na força de trabalho federal será proporcional ao seu peso demográfico. Para isso, "incentivará os trabalhadores mais qualificados a escolherem o serviço público, perdoando até US$ 10.000 ao ano em dívida estudantil por até cinco anos de serviço público".

- Roteiro para a cidadania -

Biden se comprometeu a enviar ao Congresso um projeto de lei para modernizar o "fraturado" sistema migratório atual em seu primeiro dia no cargo.

A iniciativa, disse ele, fornecerá "um roteiro para a cidadania" aos quase 11 milhões de imigrantes em situação ilegal no país, muitos deles mexicanos.

Biden, que acusa Trump de implementar políticas migratórias "racistas" e de criar "uma crise humanitária" na fronteira com o México, afirmou que encerrará o projeto do muro que é promovido pelo presidente, assim como seus regulamentos "prejudiciais" de refúgio.

Também restabelecerá o programa DACA, que atualmente beneficia cerca de 700.000 "dreamers", jovens trazidos por seus pais indocumentados quando crianças, e "explorará todas as opções legais para proteger suas famílias da separação desumana".

Biden também prometeu estender o Status de Protegido Temporário (TPS, na sigla em inglês) àqueles que fugiram do governo de Nicolás Maduro na Venezuela, uma insistente reivindicação da diáspora venezuelana a Trump.

Além disso, a agenda de Biden visa a homenagear o legado hispânico de 500 anos de história no atual território americano com um Museu Nacional dos Latinos nos Estados Unidos, em Washington.

O democrata também pretende melhorar o sistema de vistos de trabalho temporário, além de fornecer uma maneira para legalizar trabalhadores agrícolas estrangeiros. Segundo a proposta, um governo de Biden perseguirá "os empregadores abusivos em vez de os trabalhadores vulneráveis".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.