Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Michael Bloomberg em foto de arquivo

(afp_tickers)

O magnata e político americano Michael Bloomberg anunciou nesta terça-feira que está voando para Tel Aviv para ser solidário com Israel, após a decisão do governo dos Estados Unidos de proibir que as companhias aéreas americanas operem no aeroporto internacional israelense.

A Agência Federal de Aviação (FAA) proibiu voos das companhias aéreas americanas para o Aeroporto Internacional Ben Gurión, em Tel Aviv, diante da ameaça dos foguetes disparados da Faixa de Gaza.

Em mensagem no Twitter, Bloomberg - ex-prefeito de Nova York - informa que tomou um avião da companhia israelense El Al "como prova de solidariedade aos israelenses e para mostrar que é seguro voar para Israel".

Bloomberg pediu à FAA que suspenda a proibição, considerando que ela concede ao Hamas uma "vitória não merecida" no conflito com Israel.

A FAA informou mais cedo que "avalia a situação e dará uma decisão em menos de 24 horas" sobre a permanência da suspensão.

O secretário americano de Estado, John Kerry, telefonou nesta terça ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para informar que a proibição dos voos é motivada apenas por razões de segurança envolvendo passageiros e tripulações.

Esta decisão "foi tomada para proteger os cidadãos e as empresas aéreas americanas". Os Estados Unidos consideraram apenas a "segurança dos seus cidadãos".

AFP