Navigation

Skiplink navigation

Bolívia fica acéfala após renúncia de Morales e outras autoridades

Multidão participa do comício do líder opositor regional boliviano Luis Fernando Camacho, em 7 de novembro de 2019, em La Paz afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. novembro 2019 - 00:37
(AFP)

O governo da Bolívia ficou acéfalo neste domingo após a renúncia do presidente Evo Morales e das demais autoridades que formavam a linha de sucessão constitucional.

A Constituição boliviana estabelece que a sucessão começa com o vice-presidente, depois passa ao titular do Senado, seguida pelo titular da Câmara dos Deputados, mas todos renunciaram o Morales.

A renúncia do vice-presidente Álvaro García, da presidente do Senado, Adriana Salvatierra, e do titular da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, provocou um vazio de poder no país.

A incógnita é quem sucederá Morales na presidência, que renunciou neste domingo após três semanas de protestos contra sua questionada reeleição nas eleições de 20 de outubro e depois de perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia.

O advogado constitucionalista Williams Bascopé, próximo ao movimento que derrubou Morales, acredita que o Congresso deve buscar uma solução elegendo primeiro aos novos chefes de ambas as casas do Congresso.

"Como há ausência de presidente dos senadores e deputados, têm que se convocar imediatamente os deputados e senadores, têm que eleger seus presidentes", disse o advogado à imprensa neste domingo.

A presidência da Bolívia pode ser ocupada interinamente por um senador, eleito em um acordo dos partidos políticos e os movimentos civis que han impulsionaram os protestos.

Seja quem for, o presidente provisório deverá organizar um gabinete de consenso e convocar eleições o mais breve possível.

A titular do Senado que renunciou, Adriana Salvatierra, disse ao canal ATB que "tem que se construir um caminho institucional que permita reorientar o marco de funcionamento" do Congresso e "também a condução do Estado de forma transitória".

A sessão para escolher novos chefes do legislativo será convocada por uma das duas casas do Congresso, provavelmente na segunda-feira.

O partido de Morales controla atualmente ambas as casas do Congresso, razão pela qual Bascopé pediu para que "os opositores não se desmobilizem" das ruas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo