Navigation

Bolsonaro diz que médicos cubanos queriam implantar guerrilha no Brasil

Bolsonaro apresenta em Brasília o programa Médicos pelo Brasil afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. agosto 2019 - 22:41
(AFP)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que o envio de médicos cubanos ao Brasil durante o governo petista de Dilma Rousseff tinha o objetivo de "formar núcleos de guerrilha", e avaliou que se a medicina em Cuba fosse tão boa, teria salvado a vida do finado presidente venezuelano, Hugo Chávez.

O programa Mais Médicos, que chegou a enviar até 8 mil médicos cubanos a zonas pobres e rurais do Brasil, tinha por objetivo "formar núcleos de guerrilha no Brasil", declarou Bolsonaro, que colocou em dúvida a reputação dos profissionais cubanos.

"Se os cubanos fossem tão bons assim teriam salvado a vida do Hugo Chávez, mas não deu certo (...). Se fossem tão bons assim, Dilma e Lula teriam aqui no Planalto cubanos e não brasileiros" como médicos, disse o presidente ao apresentar o programa Médicos pelo Brasil, que substitui o Mais Médicos.

Chávez (1999-2013) viajou a Havana em dezembro de 2012 para se submeter a uma cirurgia por um câncer. Regressou a Caracas em fevereiro e faleceu no dia 5 de março.

O Mais Médicos foi lançado em 2013 através de um convênio com a Organização Pan-Americana de Saúde Salud (OPS), e incluia especialmente médicos cubanos.

Havana abandonou o programa em novembro de 2018, quando Bolsonaro, então presidente eleito, denunciou a retenção de parte importante dos salários dos médicos por parte do governo cubano, comparando este sistema a condições análogas à "escravidão".

Bolsonaro também questionou o fato de os médicos não terem seus diplomas reconhecidos no Brasil.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou que o Médicos pelo Brasil abrirá 18 mil vagas, sendo 13 mil destinadas aos municípios mais pobres, e a remuneração será maior para os locais mais remotos.

Dos cerca de 8 mil cubanos que participaram do Mais Médicos, ao menos 1.800 permaneceram no Brasil.

Na segunda-feira, o governo anunciou que concederá permissão de residência de dois anos - prorrogáveis - aos médicos cubanos que queiram permanecer no Brasil.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.