Navigation

Bolsonaro e Haddad se distanciam dos demais candidatos

Bandeira com o rosto de Jair Bolsonaro, o candidato da extrema direita que aparece como favorito nas pesquisas de intenção de voto afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. setembro 2018 - 18:28
(AFP)

O candidato de extrema direita Jair Bolsonaro e o candidato do PT Fernando Haddad aparecem como os favoritos a disputar o segundo turno eleições de outubro, de acordo com uma nova nova pesquisa do instituto MDA para a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), realizada de 12 a 15 de setembro e divulgada nesta segunda-feira.

Bolsonaro, que ainda se encontra internado em uma unidade de cuidados intermediários por causa da facada que recebeu durante o comício de Juiz de Fora, tem 28,2% das intenções de voto no primeiro turno de 7 de outubro.

Em segundo lugar, com 17,6%, está Haddad, designado na semana passada para substituir o ex-presidente Lula, preso por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em terceiro e quarto lugar, estão, respectivamente, Ciro Gomes, com 10,8%, e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, com 6,1%.

No segundo turno de 28 de outubro, apenas Ciro Gomes derrotaria Bolsonaro (37,8% a 36,1%, com 19,65 de votos nulos ou em branco e 6,5% de indecisos).

Bolsonaria venceria, em compensação, Haddad por 39% a 35,7% (18,2% de nulos/brancos e 7,1% de indecisos).

Os dois estão em virtual empate técnico por se situarem dentro da margem de erro da pesquisa, de 2,2 pontos percentuais.

Na pesquisa do Datafolha de sexta-feira passada, Bolsonaro tinha 26% das intenções de voto, dois pontos a mais que na pesquisa anterior.

Haddad subiu de 9% para 13%, na primeira pesquisa após ser indicado oficialmente como candidato do PT.

Brasil está tentado por duas "aventuras populistas", lamentou Alckmin, que em um eventual segundo turno seria derrotado por Bolsonaro por 38,2% a 27,2% (26,3 de votos brancos/nulos e 7,8% de indecisos), segundo a pesquisa MDA.

A enquete foi realizada com um universo de 2.022 entrevistados.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.