Navigation

Bolsonaro e Macri condenam a 'ditadura' na Venezuela

Os presidentes argentino, Mauricio Macri (E), e brasileiro, Jair Bolsonaro, em Brasília, em 16 de janeiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. janeiro 2019 - 16:19
(AFP)

Os presidentes do Brasil e da Argentina, Jair Bolsonaro e Mauricio Macri, respectivamente, condenaram com veemência "a ditadura de Nicolás Maduro" na Venezuela, após o primeiro encontro entre os dois líderes nesta quarta-feira em Brasília.

"Reafirmamos nossa condenação à ditadura de Nicolás Maduro. Não aceitamos esse deboche com a democracia", afirmou Macri em um comunicado conjunto após se reunir com Bolsonaro no palácio do Planalto.

"A comunidade internacional já percebeu: Maduro é um ditador que busca se perpetuar no poder por meio de eleições fictícias, aprisionando oponentes e levando os venezuelanos a uma situação desesperadora", acrescentou o presidente argentino, que já havia feito comentários semelhantes.

Já Bolsonaro, a quem Maduro rotulou na véspera de "Hitler dos tempos modernos", limitou-se a dizer que a cooperação da Argentina e do Brasil em relação à situação na Venezuela é "o exemplo mais claro da convergência de posições" entre os dois países.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.