Navigation

Bolsonaro indica procurador-geral da República alinhado à sua política ambiental

(Arquivo) O anúncio coincide com um momento de fortes críticas - dentro e fora do Brasil - a Bolsonaro pela proliferação de incêndios na Amazônia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2019 - 22:54
(AFP)

O presidente Jair Bolsonaro indicou nesta quinta-feira para o cargo de procurador-geral da República Augusto Aras, um jurista alinhado à sua política ambiental, amplamente criticada por especialistas e ativistas.

"Acabei de indicar o senhor Augusto Aras para chefiar o Ministério Público Federal. Uma das coisas conversadas com ele, e que já era sua prática também, é na questão ambiental: o respeito ao produtor rural e também o casamento da preservação do meio ambiente com o produtor", afirmou Bolsonaro em Brasília.

O anúncio coincide com um momento de fortes críticas - dentro e fora do Brasil - a Bolsonaro pela proliferação de incêndios na Amazônia, um fenômeno principalmente provocado pelo desmatamento implicado no avanço de atividades agropecuárias e de mineração.

Para ser confirmado no cargo, Aras deve ser sabatinado e sua indicação aprovada por uma Comissão do Senado, assim como da maioria absoluta de seu plenário (41 de 81 senadores).

Ao indicar Aras, Bolsonaro ignorou a lista tríplice de candidatos escolhidos pelos membros da Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR).

Embora não se trate de uma prática obrigatória, é uma tradição respeitada desde o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) que o chefe de Estado escolha um dos membros dessa lista.

Michel Temer teve a lista em conta ao indicar a atual procuradora-geral, Raquel Dodge, segunda mais votada por seus colegas em 2017.

Aras sequer se candidatou para concorrer por um lugar na lista tríplice.

"Já estou apanhando na mídia, é um bom sinal, sinal de que a indicação nossa é boa", ironizou Bolsonaro ao anunciar sua decisão.

Natural de Salvador, Aras é membro do MPF desde 1987. Em uma entrevista à Folha de S. Paulo em agosto passado, afirmou que se fosse escolhido para o cargo formaria uma equipe de perfil conservador.

O chefe do MPF, que tem um mandato de dois anos e pode ser reeleito, deve atuar com independência em relação aos poderes Legislativo e Executivo, já que uma de suas atribuições é denunciar criminalmente seus membros, incluindo o presidente, como aconteceu com o então presidente Temer em 2017, embora as duas denúncias contra ele por corrupção tenham sido bloqueadas pelos deputados.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.