Navigation

Bolsonaro melhora, mas permanece sem previsão de alta

Vídeo tirado de conta oficial do Twitter do presidente Jair Bolsonaro após a cirurgia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. fevereiro 2019 - 22:37
(AFP)

O presidente Jair Bolsonaro melhorou das complicações sofridas após a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia na semana passada, embora sua saída do hospital permanece sem data definida, informou nesta terça-feira (5) seu porta-voz.

"Houve melhora do seu estado de saúde nas últimas 24 horas, evoluindo sem dor, afebril e com redução da coleção líquida no abdome", explicou Otavio do Rego Barros, ao ler o último boletim para a imprensa reunida no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Rego informou ainda que a equipe médica "ainda não definiu a data da alta" do presidente, que permanece internado em unidade de terapia semi-intensiva, com antibióticos e um dreno no abdômen.

O novo boletim - que também explica que Bolsonaro começou a ingerir líquidos por via oral - traz as primeiras notícias positivas desde que na segunda-feira se soube que a recuperação da cirurgia deveria se estender para além da quarta-feira, para quando a alta estava prevista inicialmente.

O capitão do Exército da reserva, de 63 anos, foi submetido na segunda-feira na semana passada a uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal no procedimento para retirada da bolsa de colostomia, que usava desde a facada que quase o matou em um comício em setembro.

Depois de ter febre no fim de semana, os médicos começaram a lhe dar antibiótico que deve tomar pelo menos até o começo da semana que vem no hospital, antecipou na segunda-feira. Nesta terça, no entanto, Rego não quis dar novos prazos.

O próprio Bolsonaro, de 63 anos, já tinha dado sinais de melhora na manhã quando usou novamente o Twitter para criticar a imprensa que, segundo ele, não informa com imparcialidade e faz "militância malvada" ao exagerar os problemas em sua recuperação.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.